sexta-feira, 24 de março de 2017

, ,

10 Bons motivos para conhecer Ajuste de Contas, de Wallery Giscar Desten

No post de hoje mais uma grande dica para os leitores; neste post selecionamos 10 bons motivos para conhecer Ajuste de Contas, de Wallery Giscar Desten publicado pela editora Giostri, confira:

1 - Para quem curte muita ação e também pitadas de romance, Ajuste de Contas tem como elemento estruturante da narrativa a pistolagem ambientando-se nos cenários do Piauí, o que constitui-se também em oportunidade de conhecermos nossos "brasis";

2 - Vale ressaltar ainda que o livro inclusive foi premiado pelo “Prêmio O. G. Rego de Carvalho – Categoria Novela” da FUNDAC-PI, em 2001 demonstrando já o potencial desta obra;

3 - Na obra,conhecemos Justino, um experiente pistoleiro contratado para um “serviço” em Parnaíba – PI, personagem que o autor criou inspirando-se nas cantigas dos violeiros nordestinos. Já nos preparativos para a execução de um contrato de morte, o matador desconfia de que é vítima de uma suposta emboscada que se reverte na elucidação de uma injustiça do passado e na descoberta que mudará definitivamente sua vida;

4 - Uma história de vingança, amor, traições, segredos e descobertas , penetrando nos meandros da vida dessa figura tão sombria e emblemática do nosso imaginário e que desperta ao mesmo tempo curiosidade e mistério: o pistoleiro;

5 - Formado em Letras e também como Bacharel de Direito, vale destacar que o autor Wallery Giscar Desten vem realizando um destacado trabalho na literatura,conquistando o 3º lugar no concurso de poesia da VII semana de Letras da UESPI – 1998; 2º lugar no concurso de crônica da FUNDAC – 1998; participação na antologia poética “As trinta melhores poesias” do I Concurso UESPI de literatura – 1999; menção honrosa com o romance O jardim dos amores – FUNDAC – 2003 e com Ajuste de Contas conseguiu o 1º lugar no concurso “Prêmio O.G. Rego de Carvalho – Categoria Novela – FUNDAC – 2001;

6 - Quanto ao livro Ajuste de Contas ainda se pode falar da facilidade dos leitores brasileiros encontrarem-no, podendo adquiri-lo por preços bem interessantes em livrarias como a Saraiva e a Cultura;

7 - O livro, além de já ter sido premiado, chega agora publicado pela editora Giostri sob grande atenção do público que até então tinha acesso à obra através do formato digital no site da Amazon. O lançamento ocorrido neste mês de março ocorreu em Teresina - PI onde o autor reside há 28 anos;

8 - Portanto, terão os leitores nesta publicação a oportunidade de conhecer uma obra com uma história de vingança, amor, surpresas e traições, penetrando nos meandros da vida dessa figura tão sombria e emblemática do nosso imaginário e que desperta ao mesmo tempo curiosidade e mistério: o pistoleiro;

9 - Além disso, você pode acompanhar notícias sobre o livro, bem como trocar ideias com o autor acerca da obra por sua página no Facebook;

10 - Enfim, Ajuste de Contas tem um tempo já de estrada, inclusive com reconhecimento público e agora ganha esta bela edição da Giostri apresentando um cenário instigante e personagens que mexem com a curiosidade dos leitores sendo uma boa oportunidade para ampliar-se o conhecimento de nossos autores nacionais.

quinta-feira, 23 de março de 2017

, ,

10 Livros brasileiros de literatura fantástica que abordam com sucesso o folclore e a mitologia nacional

Essa semana um post com clichês da literatura fantástica brasileira antigo aqui no blog acabou revivido e de certo modo alcançando em 2 dias e meio cerca de 10.000 leitores. Parte das discussões nos comentários tratam sobre o uso da mitologia e do folclore nacional na literatura fantástica. Aproveitando, hoje selecionamos 10 obras nacionais que conseguem com sucesso abordar o folclore e a mitologia nacional com bastante riqueza, confira:

1 - O Sítio do Pica-pau Amarelo, de Monteiro Lobato: A maior parte desta lista observará obras recentes, mas não teria como excluir dela as obras que compõe este clássico universo da literatura infanto-juvenil brasileira que aborda boa parte do nosso folclore brasileiro.

2 - A Bandeira do Elefante e da Arara, de Christopher Kastensmidt: É de um americano radicado no Brasil uma das mais relevantes obras fantásticas a dar novas possibilidades aos mitos e folclore brasileiros. Ambientado num Brasil colonial a obra é de uma riqueza e esplendor visual que destrói qualquer argumento de quem acha que nossas criaturas não tem espaço na literatura fantástica nacional. A obra já esteve entre os finalistas do Prêmio Nébula, foi adaptada para graphic novel e esta sendo publicada na China;

3 - Macunaíma, de Mário de Andrade: O fato de ser um dos romances canônicos no Brasil e ser uma obra da vanguarda modernista no país talvez impeça a muitos leitores a verem-na também como produção fantástica, o que ela guarda elementos e mergulha em nossas lendas e mitos justamente em busca do tal caráter nacional;

4 - Ouro, Fogo e Megabytes, de Felipe Castilho: Uma das mais conhecidas da lista pelos fãs de literatura fantástica, especialmente do público nerd, a obra trás para o espaço urbano criaturas do folclore nacional, sendo inclusive chamado por alguns de Rick Riordan brasileiro, conquistando com o livro grande público;

5 - Causo, de Eneas J. F. Severiano: Pendendo para o horror e suspense numa atmosfera de clima policial foi uma das obras a surpreender aqui no blog , inclusive pelo fato de não ter chegado a uma editora pelo menos média. No livro o autor consegue trabalhar como poucas vezes vistas as criaturas e lendas nacionais, sempre com um viés tenebroso, e assim como A Bandeira do Elefante e da Arara produz imagens e cenas sensacionais;

6 - A Odisseia de Tibor Lobato, de Gustavo Rosseb: A obra também busca fazer um resgate de personagens famosos como a Mula-Sem-Cabeça, o Boitatá e a Cuca; além de outros como a Pisadeira e a Porca dos Sete Leitões;

7 - Cira e o Velho, de Walter Tierno:  No livro, não só o cenário e o folclore brasileiro estão presentes, mas reúne também referências literárias e históricas e está entre os mais procurados trabalhos no gênero no país;

8 - Lendas do Sul, de João Simões Lopes Neto: Observamos aqui mais um autor que não é observado como literatura fantástica, mas cuja obra inclusive serve de referência para muitos autores contemporâneos com seus contos que mais do que abordar das lendas do Rio Grande do Sul, falam também de Brasil, um Brasil fantástico;

9 - Anhangá, de J. Modesto: Neste livro, o autor que já publicou diferentes obras dentro da literatura fantástica volta-se ao nacional narrando a aventura numa época pré "descobrimento" do Brasil;

10 - Quando O Saci Encontra os Mestres do Terror: Para encerrar vamos colocar essa antologia da editora Estronho cujo objetivo é o de justamente revisitar o folclore e a mitologia nacional com fonte da literatura fantástica;

quarta-feira, 22 de março de 2017

, ,

10 Bons motivos para conhecer A Reportagem, de Bettina Muradás

Olá literários e literárias. No post de hoje uma dica que pode agitar leitoras e leitores do Brasil, especialmente os fãs de sensualidade e ação. Selecionamos 10 bons motivos para conhecer A Reportagem, de Bettina Muradás, confira:

1 - A Reportagem é um thriller que busca aliar o ritmo das tramas policiais mas que também reserva espaço para o amor, e claro, um olhar sobre a corrupção no Brasil num lançamento que tem chamado a atenção das leitoras e leitores brasileiros;

2 - Dentre algumas opiniões sobre a obra se fala que "Bettina Muradás desponta no gênero policial como uma grata surpresa. A cada página, personagens bem delineados vivem uma trama com sucessivas revelações surpreendentes", e ainda, apontam o livro como "um thriller por excelência, um bom roteiro policial. O livro leva ainda o cenário político de um Brasil mergulhado em corrupção para dentro da trama";

3 - No romance, conhecemos Gisele Coelho, mulher sensual e jornalista competente, que ao receber uma informação e segue seus instintos. Vai aos Estados Unidos em busca de uma grande história. Lá encontra o advogado Matthew Newman é o agente especializado em perseguir rastros de fraudes financeiras contratado por ela;

4 - A partir disso, divididos entre a sensualidade superficial e o romance intenso, advogado e cliente mergulham numa relação tempestuosa enquanto enfrentam criminosos e percorrem as ruas de Manhattan e as praias de um paraíso fiscal no Caribe, a procura de pistas que comprovem um esquema de lavagem de dinheiro e corrupção. Nesta busca encontram as peças de um quebra-cabeça que revela segredos da vida pública brasileira;

5 - Para escrever sua história, a autora usou de sua paixão pela escrita para adentrar o universo da literatura. Nascida em Curitiba- PR, a jornalista Bettina Muradás foi desde cedo seduzida pelo universo das palavras. Foi repórter e colunista no jornal “Correio de Notícias” e na “Singular Agência de Notícias”. Redatora e editora premiada na agência de publicidade “Umuarama”, decidiu assumir sua paixão pelo campo e enfrentar um novo desafio no meio rural atuando como diretora da Jatobá Pecuária, onde contribuiu para o aperfeiçoamento do plantel de gado Nelore da empresa e a conquista do tricampeonato como melhor criador de gado Nelore do Brasil em 2008.

6 - Quanto à carreira de escritora, teve início junto com sua primeira filha. Horas e dias de permanência em casa entre fraldas e mamadeiras a levaram a produzir o primeiro manuscrito “Inverno no Vale”. Além de escritora, empresária e tenista amadora, atua também como vice-presidente do Instituto TMO - Associação Alirio Pfiffer de apoio ao Transplante de Medula Óssea e encara a atividade do terceiro setor com seriedade profissional e incansável dedicação. Sobre a autora e sua carreira é possível ter mais informações e mesmo fazer contato e conhecer de sua obra através de seu site oficial;

7 - Lançado em novembro de 2016, você também pode ficar por dentro do universo de A Reportagem curtindo sua página no Facebook e também acompanhando a autora em seu Instagram;

8 -  Além disso, claro, você pode adquirir seu exemplar pelo site da editora Chiado por um preço justo. No Brasil você encontra o livro na Livraria da Vila;

9 - Portanto, não perca a oportunidade de conhecer este jogo perigoso resulta numa reportagem que pode derrubar o Presidente da República e jogar na lama a reputação de políticos e nomes importantes no cenário brasileiro;

10 - Enfim, A Reportagem congrega elementos capazes de agradar uma grande diversidade de leitores fãs de diferentes gêneros, num trabalho instigante (e com sua bela capa) que busca prender o leitor num universo de riqueza, poder, desejo e vingança. Tudo isso em meio a manobras de investigação policial e movimentos políticos, os quais a autora pretende traçar um panorama da política nacional que se encaixa em vários momentos da nossa historia recente, mas deixa que as ações de seus personagens determinem o rumo do romance.

terça-feira, 21 de março de 2017

, ,

10 Coisas Sobre Blogs e Parcerias com Editoras que todo mundo deveria saber

Essa semana pipocaram pela web posts polêmicos sobre parcerias entre editoras e blogs literários. O bate-boca tem sido grande nos últimos anos, em parte, creio pelo crescimento (e às vezes amadorismo) da blogosfera literária. Como alguém (quiçá um tiranossauro dos blogs literários) que iniciou essa coisa lá pelas bandas de 2009, ano que muitos blogs surgiram (tantos se extinguiram), resolvi entrar na "polêmica" abordando alguns fatos relacionados à parcerias com editoras, nestas 10 coisas sobre blogs e parcerias com editora que todo mundo deveria saber:

1 - O Princípio: Com o tempo parece que as parcerias tem deturpado (e se deturpado) a gênese dos blogs literários. Os primeiros que vieram, hoje muitos extintos, não surgiram pela dependência de parcerias, mas sim pela vontade de falar de literatura, tanto que àquela época a maioria dos blogs eram ainda "blogspot" praticando "um amadorismo" talvez mais sincero. Até então, naqueles primeiros anos as editoras ainda não tinham se voltado para a possibilidade de parcerias, algo que começou mais sistematicamente em 2010 e se consolida em 2011. Daí em diante tem sido "um deus nos acuda" com milhares de inscritos a cada seleção;

2 - Precursores: Se você tem certa disponibilidade de tempo para pesquisas e fugir da síndrome "do mundo começou ontem" descobrirá inclusive que os precursores das parcerias com blogs literários foram os autores nacionais que alijados das divulgações tradicionais em jornais e o alto custo de propaganda começaram timidamente a realização de parcerias com blogs, principalmente com resenhas, afinal, ser resenhado num jornal era uma impossibilidade, e mesmo no princípio deste "boom" os blogs detinham suas parcelas de audiência. Vejamos que até aqui, menos uma questão comercial e mais uma possibilidade de ser lido insuflou a realização de parcerias. No caso do Listas, o primeiro autor a nos enviar seu trabalho foi o Allan Pitz com o interessante "A Morte do Cozinheiro";

3 - Editoras em Campo: Que fique bem claro, editoras sempre tiveram e vão continuar tendo cotas de divulgação. Até os blogs, tudo ia para jornais e revistas, com advento do novo meio, as editoras viram nos blogs potencial para parcerias, em grande parte porque os blogs vinham mostrando-se de forma muito mais dinâmica e ágil, sempre com pautas em cima do lance, atentos aos lançamentos, Ás obras e aos escritores do que os meios tradicionais. Além disso, muitos blogs tinham e ainda tem uma audiência maior que muitos suplementos literários (que em determinado momento desapareceram dos jornais, até nos meios virtuais). Portanto, como editoras não são bobas, lógico que elas conseguiram ler esse movimento e começaram a trabalhar de forma mais sistemática e organizada. Tanto que nas primeiras parcerias, como foi do Listas com a Record em 2010, ainda não existiam períodos de seleção e acima de tudo os conceitos sobre as parcerias literárias eram diferentes à época. Feito esse resgate, nos próximos itens elenco 7 problemas que dão margem as discussões recentes;

4 - Problema 1: Não sei se há ou não um divã em que editoras e blogueiros tem sentado-se para discutir a relação, mas está claro que há muito bate-boca virtual por aí (e também mimimi), que em parte nasce da proliferação dos blogs literários, o que tem sido bom, mas que por outro lado inundou a internet de aventureiros em busca de exemplares de graça. Esse "inchaço" senão o cerne do problema acaba influenciando muitos elementos que são discutidos virtualmente sobre o assunto;

5 - Problema 2: Uma das questões que o inchamento de blogs literários causou e que deve ser avaliada e ponto de reflexão é que, não só as editoras, mas parte também dos blogs a "mudança" de conceito da blogosfera literária. Se antes era o desejo de falar de literatura, hoje, quando grande parte carrega a preocupação de apenas ter muitas parcerias, tudo passa a ser em pról disso, e assim, a propaganda e o consumismo mero e simples é que passam a pautar os blogs, o que, a meu ver tem feito decair muito o conteúdo dos canais, porque a sensação que fica é que estão todos à serviço das editoras;

6 -  Problema 3: Mas não culpemos apenas os blogs, sim as editoras tem grande parcela nisso, e tudo piorou após "a profissionalização" das equipes de marketing de tal forma que hoje há sim seleções que prezam pela capacidade de propaganda de um ou outro canal, e também engajamento de tal forma que mais do que ter um feedback de suas publicações, buscam por funcionários não remunerados. Isto, aliás, só é possível pelo inchamento e empobrecimento da blogosfera literária. Aqui no Listas e noutros blogs que tenho visto, prefiro não ter estes tipos de parcerias, porque no final deturpa o conceito inicial de sua ideia;

7 - Problema 4: É que na verdade misturou-se até fazer uma coisa só, "crítica" e propaganda. Os blogs ainda que não uma crítica especializada surgiram no vácuo de inexistir pessoas falando e avaliando  livros, o que fazia muitas vezes das listas de mais vendidos único "feedback" de leitores sobre livros. Mas com o tempo, e pela espantosa submissão e entrega, esta promovida pelos blogs literários de segunda geração, passou-se a buscar apenas por propaganda, por divulgadores. Ora, amigos, resenhar, avaliar, criticar, mesmo sem sermos críticos é uma coisa, agora propaganda, é um serviço prestado, e como todo serviço cada canal tem sua forma de remuneração;

8 - Problema 5: Com tudo isso está se criando então um clima de desconfiança. Não sei se editores lerão este post ou não, mas não acho muito inteligente em médio e longo prazo uma adesão a propaganda pela propaganda. Muitas seleções tem mostrado isso, seja em suas regras, seja nos perfis dos blogs selecionados em que temos percebido este caminho seguido. Acontece que isto pode por em risco algo que os blogs detinham com seus leitores que é credibilidade;

9 - Problema 6: Acontece que muitos canais tem dificuldade em existir sem editoras ou até mesmo de saber que se pode construir um canal relevante e interessante sem estar preso a este tipo de ação. Aqui no Listas mantemos muitas parcerias, noutras perdemos, o que aliás, faz parte do jogo, afinal seleção é seleção e temos de respeitar os perfis e as expectativas das editoras, contudo o que não pode é justamente o blog reverter seus princípios ou conceitos por causa disso. Além disso, tanto entre grandes, médias e autores há sim parcerias que não esperam por um funcionário não remunerado, até porque é justamente a credibilidade e a qualidade de uma avaliação crítica do canal que poderá reverter positivamente para autores e editoras;

10 - Problema 7: Qualidade das avaliações, a meu ver, resultam no maior e no mais triste dos problemas, e isso, feito por muitos blogs (alguns famosos, inclusive) e patrocinado com a leniência perigosa de muitos departamentos de marketing de editoras. Se acham meio pesado, visitem alguns blogs, vejam algumas resenhas, e sinceramente, há em muitos casos nove décimos de sinopse e três linha de opinião pouco crítica no material publicado, o que não acaba sendo problema desde que haja disponibilidade para engajamento nas redes sociais. O que quero dizer com isso, então, é que tanto blogs quanto editoras (nem todas, é claro, porque generalizar seria um grande a fatal erro) seguem por uma trilha e médio e longo prazo perigosa. Mas o que deveria estar em mente na maioria dos blogueiros é de que existe vida sem parcerias. Além disso, outras 10 coisas temos que ter em mente:

1 - Com ou sem parceria você pode faturar com seu blog;
2 - Não adianta reclamar, cada editora escolhe os seus, de acordo com seu perfil desejado, seja correto ou não;
3 - É muito mais blog do que oferta de parceria. Então o normal é viver sem ela.
4 - Com ou sem parceria quem pauta o blog é blogueiro.
5 - Há blogs de qualidade sem parceria e há blogs horríveis com muitas parcerias, mas o inverso ocorre também;
6 - Os melhores blogs sabem a que vieram;
7 - Há blogueiro pedinchão, e autor e editores também, afinal o mundo não é perfeito.
8 - Os bons jornais continuam recebendo material para crítica. Bons blogs também.
9 - Não é seu problema se a editora deseja um funcionário não remunerado. E também não problema dos outros se você aceita isso.
10 - Blogs dependentes de parceria talvez morram. Blogs com projeto sólido é mais difícil.

segunda-feira, 20 de março de 2017

, ,

10 Considerações sobre Amor Imenso, de Penelope Ward ou como o amor encontra entendimentos

O Blog Listas Literárias leu Amor Imenso, de Penelope Ward publicado pela editora essência; neste post as 10 considerações da Gi sobre o livro, confira:

1 - Amor Imenso é uma bonita história de amor em que se superam mal-entendidos e cuja leitura dá-se de forma rápida e envolvente prendendo-nas à leitura do princípio ao fim deste romance;

2- Narrado em primeira pessoa pela protagonista Amélia, o livro conta perpassa por sua vida narrando seus encontros e desencontros com Justin desde suas infâncias numa relação marcada por mal-entendidos e situações que insistem tanto em distanciá-los como reaproximá-los;

3 - Por isso mesmo esta é uma narrativa em que além do amor e da paixão, brigas e mágoas estão presentes tumultuando e movimentando a trama de forma que as reviravoltas são constantes ao longo de seu enredo sempre trazendo novas surpresas às suas leitoras;

4 - Com esse passado comum então, e após decepções amorosas e diferentes formas de traições que o "destino" volta a aproximar Justin e Amelia justamente após a perda de uma pessoa importante na vida da professora Amelia, sua avó, que ao falecer deixa a casa como herança para ambos;

5 - A partir disso o livro passa a tratar da necessidade de tocar-se a vida em frente a despeito de suas provações, e mesmo num ambiente de perdas, traições, mágoas e brigas serão os sentimentos tidos como nobres fundamentais para se superar os problemas, ou seja amor e amizade devem prevalecer ao fim;

6 - E tal superação dá-se a partir dos exemplos da protagonista, Amélia, que com sua carga de vivência acaba tendo dificuldades em lidar com o próprio passado, tanto familiar quanto amoroso, o que acaba refletindo em suas relações no presente;

7 - Justin, por sua vez também terá seus problemas com o passado, seus ressentimentos, especialmente o ódio que passou a nutrir por Amélia, pessoa em cujo presente reencontrará ainda que esteja em "sua vida perfeita", cujo problema passará então a ter de dividir espaço com ela;

8 - Portanto, haverá então certa imposição do "destino" para que ambos possam enfim buscar resolver seus desencontros e seus problemas, o que, é claro, movimentará a trama com sua intensidade e sua química que geralmente ocorre em relações carregadas de atritos, como a de Justin e Amélia;

9 - Contudo, para leitoras que contabilizam momentos difíceis e bons ficará a sensação de que poderia ter havido menos desencontros na vida dos dois, de tantos que ocorrem, até porque, com o prosseguimento da narrativa envolvemo-nas pela história dos dois que mais tempos de paz e amor não seriam mal-vindos;

10 - Enfim, Amor Imenso é uma leitura recheada de dramas e desamores cheia de alternativas e possibilidades cuja leitura se dá de forma cativante, especialmente porque podemos compartilhar os sentimentos vividos pelas personagens de tal forma que nos imerge à trama e nos coloca na torcida para que ambos superem seus problemas. 




domingo, 19 de março de 2017

sexta-feira, 17 de março de 2017

, ,

10 Bons Motivos para conhecer Um Verão Dentro do Inverno

Olá literários e literárias do Brasil. No post de hoje trazemos 10 bons motivos para conhecer o trabalho de uma autora nacional, Nara Nalú, o lançamento Um Verão Dentro do Inverno, confira:

1 - Um verão Dentro do Inverno é mais uma demonstração da versatilidade e da presença das romancistas brasileiras sempre trazendo novidades para suas leitoras. Neste romance uma uma história de encontros, desencontros e reencontros ambientados em sua maior parte na Rússia, na então cidade de Stalingrado;

2 - A obra é permeada por exemplos de superação, envolvimento emocional intenso, perdão e por fim a absolvição numa trama bastante dinâmica e tendo como plano de fundo a Batalha de Stalingrado, considerada a mais sangrenta das batalhas da Segunda Guerra Mundial, que no romance traçará os destinos de suas personagens;

 3 - No livro Yvia se vê envolvida no caos da sangrenta Batalha de Stalingrado no auge da Segunda Guerra Mundial. Sendo obrigada a fazer escolhas que modificarão completamente a sua vida, ela se verá separada do marido e das filhas, e isso será apenas o início de sua saga que a levaria por caminhos nunca imaginados;

4 - É a partir disso então, da descoberta de um novo amor, intenso e arrebatador e o reencontro com Kátia em meio a árdua reconstrução da cidade. Esse imprevisível reencontro ao mesmo tempo que a afasta de seus objetivos, a conduz para uma vida plena e feliz;

5 - Assim, apesar do tema remeter há uma época de tanto sofrimento e dor, esta história faz também a narrativa de um amor que ultrapassa todos os limites do sofrimento e que se concretiza na personagem principal e sua geração futura;

6 - Com isso, a autora busca apresentar aos leitores/as Empolgante do começo ao fim, do prólogo ao epílogo. Envolvente em toda a narrativa, contém fatos históricos concretos do que foi a Batalha de Stalingrado. Uma demonstração que embora tenha em seus personagens e na vida dos mesmos, apenas uma história de ficção, nos emociona ao tomarmos consciência de que outras vidas realmente fizeram parte desse contexto que jamais deveria ter feito parte da história da humanidade;

 7 - Portanto, a expectativa é de uma obra dinâmica e que pode se adquirida tanto no Brasil quanto em Portugal pelo site da Editora Chiado a preços bem bacanas;

8 - Além disso, vocês podem manter contato direto com autora bem como informarem-se a respeito da obra, comentá-la, enfim, um canal direto de interação por este link;

9 - Sem falar que esta é uma ótima oportunidade de prestigiar autoras nacionais que cada vez mais ocupam espaço nas estantes brasileiras com obras atraentes e universais que tem conquistado milhares de pessoas;

10 - Enfim, sob o lema de que é impossível não se emocionar com tantas vidas e sonhos interrompidos, a autora convida-os a conhecer o romance com dramas, paixões e acima de tudo com personagens cujas experiências são marcantes e construtoras de suas identidades.

quinta-feira, 16 de março de 2017

, ,

5 Razões para não perder o lançamento de Aquarela do Brasil

Oi Pessoal. Neste post confira 5 ótimas razões para não perder o lançamento de Aquarela do Brasil, de Luciano Figueiredo neste belíssimo trabalho da Editora Brasileira:

1 - Com este super lançamento a Editora Brasileira busca cumprir seu objetivo de divulgar e valorizar a arte e a cultura nacional, a Editora Brasileira tem como foco a publicação de livros que retratam a identidade cultural do Brasil e suas mais variadas formas de expressão, e tudo isso com um produto de bom gosto e ótimo custo-benefício;

2 -Nesta obra, vemos o Brasil, um país que pode ser representado por uma enorme paleta de cores. Devido a sua extensão territorial e aos diferentes povos que chegaram por aqui desde a colonização e ao longo dos períodos de imigrações;

3 - Tendo isto em mente, a publicação observa a diversidade desta terra que abriga um grande número de paisagens e cenários naturais e uma ampla diversidade de culturas, etnias, sotaques e crenças numa miríade cultural única;

4 - Essa grande variedade de pessoas, formas e cores, que lembram uma pintura de aquarela, inspirou a criação do livro “Aquarela do Brasil”, cujas fotografias luminosas e impactantes de diferentes partes do Brasil remetem à música de Ary Barroso escrita em 1939 e que deu o mesmo nome ao livro. Como na famosa canção, o livro abre a cortina do passado e mostra as cores deste Brasil, brasileiro;

5 - Enfim, com textos em português e versão em inglês de autoria do professor Luciano Figueiredo, formado em História pela PUC-RJ, mestre e doutor em História Social pela USP, o livro conta a história do Brasil em seus primórdios, mostra a constante evolução que o país passa em suas grandes cidades e evidencia a fotografia desta terra cheia de cor e expressões.
, ,

7 Livros de Elvira Vigna para ter na estante

No post de hoje selecionamos 7 obras de uma das mais contundentes autoras brasileiras contemporânea. Confira 7 livros de Elvira Vigna para ter na sua estante:


1 - Como Se Estivéssemos em Palimpsesto de Putas: Dois estranhos se encontram num verão escaldante no Rio de Janeiro. Ela é uma designer em busca de trabalho, ele foi contratado para informatizar uma editora moribunda. O acaso junta os protagonistas numa sala, onde dia após dia ele relata a ela seus encontros frequentes com prostitutas. Ela mais ouve do que fala, enquanto preenche na cabeça as lacunas daquela narrativa... + no Submarino

2 - Nada a Dizer: Paulo e a mulher-narradora, cujo nome não é revelado, formam um casal de alternativos de meia-idade, experimentados nas revoluções políticas e comportamentais dos anos 1960, mas que parecem não ser capazes de lidar com questões mais atuais, como a fragmentação de identidades ou o pensamento cínico de um novo e vitorioso meio social. Os laços que os unem são abalados pela entrada em cena de uma amante vinte anos mais jovem e de perfil executivo, que tanto um quanto o outro não hesitariam, na juventude, em chamar de "burguês"... + no Submarino

3 - O Que Deu Para Fazer em Matéria de História de Amor: Os mesmos fatos. Que mudam, dependendo de como são contados. Pode ser que façam uma história de amor. Do tipo amor total, desses que só se ouve falar. Pode ser que façam a história de um crime. No fim, uma questão de escolha. A narradora deste livro se vê debruçada sobre a vida de duas pessoas. Já mortas... + no Submarino

4 - Por Escrito: Uma história de separação. Mas engana-se quem espera encontrar aqui mulheres chorando pelos cantos da casa. As vidas de Molly, Izildinha, Valderez e das outras personagens do livro são tão inquietantes e inesperadas quanto a prosa da autora. Por escrito é também uma história de desencontros, em que as pessoas parecem não ver quem está à frente delas... + no Submarino

5 - Coisas Que Os Homens Não Entendem: Depois de uma temporada em Nova York, a fotógrafa Nita está de volta ao Rio de Janeiro. Em sua memória, a cena recorrente é uma assassinato: um tiro - e Aureliano tomba na sua frente, no apartamento em Santa Teresa que ela conhecia tão bem. Para Nando, irmão do morto, não foi difícil molhar a mão da polícia e em dois tempos enterrar o caso nos fartos arquivos cariocas de crimes não resolvidos. Melhor assim, para todos... + na Saraiva

6 - Deixei Lá e Vim: O leitor já não se enquadra na definição de receptor passivo de uma linguagem, é também participante ativo de um evento, ao decidir em quem ou em que deve acreditar. Das ruas e locais da favela, citados no romance, aos trajetos e preços da Kombi comunitária... + no Submarino

7 - Às Seis em Ponto: Há algo de podre nas personagens de Elvira Vigna. Elas podem ser altruístas, cínicas ou até mesmo ingênuas, não importa: todas têm o seu quê de perversidade, e qualquer esforço para dissimulá-lo sempre resulta em confissão. Só que mentir não é crime, é apenas o único meio de vida que elas conhecem - um meio risível porque, de alguma forma, acabam se confessando justamente a quem mente sem pudor... + na Saraiva

quarta-feira, 15 de março de 2017

, ,

5 Razões para não perder o lançamento de Oscar Niemeyer: Vida e Genialidade

No post de hoje mais um grande convite de lançamento da Produtora Brasileira. Neste dia 17/03 às 18:30 na Livraria da Vila - Shopping JK Iguatemi não perca o lançamento de Oscar Niemeyer: Vida e Genialidade, produzido pela Fundação Oscar Niemeyer. Neste post 5 ótimas razões para não perder este lançamento, confira:

1 - Fundada em 2011, a Produtora Brasileira tem como objetivo divulgar e valorizar a arte e a cultura nacional. O foco é a produção de obras que retratam a identidade cultural do Brasil e suas mais variadas formas de expressão como é o caso deste super lançamento, que além de resgatar a história de um ilustre brasileiro, também apresenta ótimo custo aos seus leitores;

2 - O livro aborda a vida e obra Oscar Niemeyer que foi um dos principais arquitetos na história do Brasil e um dos maiores representantes da arquitetura modernista brasileira, premiado nacional e internacionalmente e cuja arquitetura é também parte de nossa identidade nacional;

3 - Formado em 1934 pela Escola Nacional de Belas Artes (atual URFJ), Niemeyer ficou conhecido por projetos como: a sede da ONU em Nova Iorque, Conjunto da Pampulha, o Edifício Copan, o Parque Ibirapuera e o Palácio da Alvorada, do Planalto, do Supremo Tribunal, do Ministério das Relações Exteriores e da Justiça, além do Congresso Nacional e da Catedral;

4 -Em 2017, o maior arquiteto do Brasil completaria 110 anos de idade, e com objetivo de homenageá-lo é que surge este livro com a conhecida qualidade de produção da Produtora Brasileira com material de alta qualidade e ótimo custo-benefício que resultam num produto de bom gosto para sua coleção;

5 - O livro ainda apresenta fotografias, por Leonardo Finotti, das inúmeras obras idealizadas pelo arquiteto. A obra, ao final, conta com uma linha do tempo fornecida pela Fundação Oscar Niemeyer, narrando sua vida e os principais marcos de sua trajetória desde seu nascimento até sua morte, com textos em versão bilíngue (português/inglês).
, ,

10 Grandes Fuscas da Literatura

No post de hoje selecionamos 10 carismáticos ou inesquecíveis carros da literatura e da vida real, afinal o Fusca tornou-se um lenda automobilística e óbvio que não seria esquecido pelos livros. Neste post confira 10 Grandes Fuscas da Literatura:

1 - Herbie: Pois é, esse fusquinha simpático e que foi imortalizado pela Disney nasce na verdade na literatura, pois o filme (e isso pouca gente sabe) foi adaptado do livro de 1961, Car-Girl-Boy, de Gordon Buford;

2 - Fusca Azul: Se os cinquenta tons são de cinza, o fusca de Anastasia Steele pelo menos é azul e recebe todo o carinho da dona e o despeito do Sr. Grey pelo carrinho velho. De todo modo, o fusquinha também sucumbe aos chicotes, mas gera certo entrevero na narrativa;

3 - CiberPatrulha: Pense num cartão de visitas de seu negócio. É mais ou menos como funcionam os fusquinhas verdes da CiberPatrulha que rodam pela cidade levando seus técnicos para indispensáveis consertos de computadores em Mr. Mercedes, de Stephen King:

4 - Fusca Lembrador: Bem antes que a garotada conhecesse o filme Carros, Orígenes Lessa em 1972 escreveu Memórias de Um Fusca com um carrinho falante que gostava de contar suas aventuras;

5 - Blue Beetle: Outro a gostar dos fuscas é Harry Dresden da série de livros Dresden Files, carrinho que recebe o nome por causa de sua cor;


6 - Quatro Amigos e Um Fusca: No romance To an Early Grave, de Wallace Markfield, quatro intelectuais judeus abarrotam um fusquinha para uma trip que lavará-os ao velório de um amigo, sendo que o livro foi adaptado para os cinemas em 1968 nua comédia;

7 - O Fusca Envenenado: Os anos 60 e 70 foram sem dúvida marcantes pela presença de Fuscas na literatura, como o caso deste que surge em Operação Fusca Envenenado, de Luiz Santiago numa das aventuras da Turma do Posto 4 em 1973;

8 - Zona Morta: Stephen King também incluiu um fusca neste livro. O carro velho era de Johnny Smith, um personagem cheio de nuances e com o sonho de viver feliz para sempre;

9 -  Fusquinha da Mamãe: No recente Em Busca de Abrigo, de Jojo Moyes, Kate, mãe da jovem protagonista Sabine tem seus Fusca que de certa parte caracteriza também a personagem;

10 - Mais Quatro: E aqui mais uma demonstração da perigosa originalidade brasileira, já que temos algumas obras com Fuscas posteriores a filmes estrangeiros. Em Quatro Num Fusca, de Esdras Nascimento temos uma trip pelo sertão brasileiro com quatro viajantes nesse carrinho místico.

terça-feira, 14 de março de 2017

, ,

5 Razões para não perder o lançamento de Santos, uma cidade e uma paixão

Mais um convite para um super lançamento no próximo dia 17/03 na Livraria da Vila - Shopping JK Iguatemi às 18:30: dessa vez o Listas Literárias publica 5 razões para não perder o lançamento de Santos, uma cidade e uma paixão, de Débora Dias, publicado pela Companhia Brasileira, confira:

1 -O livro apresenta a cidade de Santos, a maior do litoral paulista, reconhecida pela alta qualidade de vida de seus habitantes, ocupando a 6° melhor posição no índice IDH do país. Com a maior participação econômica da região, abriga o maior porto da América Latina responsável pela dinâmica econômica da região ao lado do turismo, comércio e pesca;

2 - Publicado pela Companhia Brasileira de Arte, Cultura e Esportes, fundada em 2014 e que desde então vem desenvolvendo diversas atividades em parceria com grandes instituições do meio cultural porque acredita que o sucesso que a ela atribuído é mérito de um time de profissionais do mais alto gabarito, que constantemente superam metas e conquistam novos horizontes;

3 - Na publicação teremos a cidade de Santos que viu sua economia ganhar forte impulso com o recente desenvolvimento da produção de petróleo no pré-sal da Bacia de Santos, que em 2018 corresponderá a mais da metade da produção de petróleo nacional;

4 - E para conhecer a história desta cidade teremos fotografias históricas e inéditas que registram suas paisagens naturais, formadas principalmente pelas praias, beiradas em toda sua extensão pelo maior jardim do mundo (Guinness Book), e também suas paisagens urbanas, que além do Porto de Santos incluem praças, monumentos, o estádio de futebol da Vila Belmiro (que completou 100 anos em 2016) e prédios históricos como a Bolsa do Café e o Teatro Coliseu;

5 - Enfim, este é um produto de muito bom gosto Com textos de rápida leitura perfeitamente escritos pela arquiteta Débora Blanco Bastos Dias, a história do crescimento de Santos ao longo de 470 anos está registrada em belas fotografias que despertam a paixão dos leitores pela cidade.


, ,

10 Considerações sobre Capão Pecado, de Ferréz ou bem-vindos ao inferno

O Blog Listas Literárias leu Capão Pecado, de Ferréz publicado pela editora Tusquets do Grupo Editorial Planeta 16 anos após seu lançamento; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Capão Pecado é uma destas obras de difícil conceituação ou classificação porque é bastante única e propõe reflexões acerca do ser literário ao trazer para os livros um espaço excluído ainda que precisemos observá-lo também como literatura ou pretensa literatura, o que de todo modo coloca o leitor num terreno minado visto que tido como uma obra expoente da literatura marginal carrega por outro lado elementos de uma estrutura narrativa comum aos romances do status quo visto que não se deixa de ver aqui certos enredos shakespearianos;

 2 - No romance, como em outras obras da literatura brasileira é possível imaginar o ambiente como personagem, no caso a comunidade do Capão Redondo, por onde circula uma gama de personagens imersos num espaço até então sem voz e que dá visibilidade a um lugar sem esperança e imerso numa violência naturalizada e distante da sociedade criando uma gigantesca percepção de não pertencimento;

3 - Assim, numa narrativa em terceira pessoa e que beira à oralidade numa identidade linguística própria que reforça o distanciamento entre a elite social do país e a base mais frágil do estrato social o leitor acompanha especialmente Rael, mas também outros personagens da comunidade numa movimentação intensa em meio a uma desestruturação impactante em que desesperança e sofrimento são palavras que saltam de suas páginas;

4 - Contudo, ainda que com essa identidade específica, não deixa de ser curioso ou um convite à reflexão o fato de no interior da obra termos um elemento narrativo característico ao romances tradicionais em que o conflito amoroso surge de forma importante, inclusive conduzindo a desfechos que exigem avaliações mais profundas no romance como é o caso do que vem a acontecer com Rael;

5 - Entretanto, mesmo que Rael seja quase um protagonista da obra, ainda assim não se sobrepõe ao próprio espaço, aliás, este segundo é que perdura e que se impõe sobre tudo e todos de tal forma que adentra a pele e a alma de seus viventes ao apresentar como se fosse "crônicas de um inferno" um mundo distante de boa parte dos brasileiros em que a desumanização ocorre de diferentes formas da subjugação ao crime ou a entrega total ao álcool ou às drogas;

6 - Temos portanto uma narrativa a partir dos próprios excluídos, mas a partir daí temos também uma outra série de reflexões a fazer, inclusive de como nesse espaço de oprimidos sem ampliam também as diferentes formas de expressões visto que no romance neste espaço tão pressionado e excluído ele próprio repercute e repete as opressões de tal forma que a comunidade rejeita o diferente, como é o caso das atitudes para com aqueles que tentam ainda sonhar com um mundo melhor, seja pelo estudo ou pelo trabalho, e com isso logo passam a ser excluído dentre os seus agigantando o não pertencimento do indivíduo à sociedade. Neste sentido a violência escamoteada é ainda mais impactante porque ao ocorrer tais distinções e ao passo que a própria narrativa acaba aceitando isso ela de certa forma reproduz um olhar dominante de que é culpa do oprimido não libertar-se;

7 - Além disso, o livro escancara uma série de preconceitos, e nisso é essencial olharmos para apresentação das mulheres na obra e no espaço, onde ocupam assim como no espaço a ser criticado, as elites, ocupando as mulheres do livro também um papel de submissão e sofrimento reproduzindo a cultural patriarcal e machista o que torna-se ainda mais violento num espaço oprimido;

8 - Mas certamente o maior impacto e talvez o ponto de maior reflexão e estudos que temos que nos dedicar ao romance é a observação da naturalização da violência tomada por um determinismo social muito forte que nos remete ao realismo naturalista da literatura clássica mas que aqui mais do que o determinismo impacta justamente pelo escancarar da desesperança que joga tudo num poço de desespero em que não se apresentam soluções, apenas uma sobrevivência animalizada e violenta num ambiente que não poupa ninguém, nem mesmo àqueles que um dia ousaram sonhar;

9 - Por tudo isso, este não é um livro fácil de se analisar ou criticar porque ao dar voz e vida a um espaço geralmente excluído da sociedade ao mesmo tempo nos grita que justamente neste local de opressão e esquecimento se reproduzem o que desejam as elites de tal forma que a própria obra apresenta dificuldades em apresentar uma alternativa, em olhar de outra forma o próprio espaço, mas acima de tudo trata da incapacidade de fugir de algo já programado pelas instituições dominantes de tal forma que podemos pensar na narrativa como desestabilizadora ao mesmo tempo que em seu cerne mantenha atitudes conservadoras e arcaicas numa impossibilidade de resistência;

10 - Enfim, Capão Pecado mais do que crônicas de uma comunidade pobre e oprimida trata da desumanização completa e da desesperança numa obra que demanda para além de sua violência e demasiada naturalização estudos mais profundos e críticos que não atenham-se tão somente a sua voz marginal e oral mas que também compreendam sua complexidade e acima de tudo discutam-na como literatura e como contradição visto que há neste livro uma série de elementos a serem refletidos calmamente e com extremo cuidado e atenção.


segunda-feira, 13 de março de 2017

, ,

5 Razões para não perder o lançamento de Temperos do Brasil

Hoje temos mais uma dica para quem curte livros, arte e culinária e um convite para que não peca este grande lançamento. No post de hoje selecionamos 5 ótimas razões para não perder o lançamento de Temperos do Brasil, de Claudia Fonseca publicado pela Produtora Brasileira, confira:

1 - Fundada em 2011, a Produtora Brasileira de Arte e Cultura tem como objetivo divulgar e valorizar a arte e a cultura nacional. O foco é a produção de obras que retratam a identidade cultural do Brasil e suas mais variadas formas de expressão. Sustentabilidade, meio ambiente, tecnologia, educação, inovação e energia são alguns dos temas de seus projetos, que começam a ser amplamente discutidos no cenário nacional e internacional. Em meio a este grande mosaico cultural, tem como proposta dividir com o espectador um conteúdo interessante e dinâmico, com estética inovadora, é o que a editora busca com este super lançamento;

2 -Neste livro temos a influência dos imigrantes, os sabores regionais e a diversidade de ingredientes presente à mesa dos brasileiros são seus destaques e apresenta a deliciosa relação entre a cultura e os pratos típicos de cada região;

3 - E essa riqueza presente surge dos costumes dos nativos do Brasil e se funde à cultura alimentar trazida pelos portugueses, africanos e levas de imigrantes de toda parte do mundo ao longo dos anos. Com a chegada dos europeus e outros povos novos temperos e alimentos se difundem intensamente pelo país;
4 - Além disto, a obra chega aos leitores em texto bilíngue (português/inglês) e imagens fantásticas que perpassam pela história da culinária brasileira numa obra de conjunto de bom gosto e elegância a valorizar sua estante;

5 - Enfim, neste livros veremos então uma obra rica em ilustrações capazes de dar água na boca e fotografias dos mais belos temperos brasileiros de tal modo que vai além do paladar com suas cores e texturas capazes de despertar diferentes sensações em seus leitores.


domingo, 12 de março de 2017

, ,

10 Considerações sobre O Ascendente, de Ceres Marcon ou porque entre o céu e a terra "o couro come"

O Blog Listas Literárias leu O Ascendente, de Ceres Marcon publicado pela editora Cafeína Literária; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - O Ascendente é entretenimento garantido para quem curte muita ação, tramas bem escritas, mas acima de tudo embates celestiais e infernais numa obra cujos personagens não tem tempo para respirar, pois a ação é constante e as batalhas ditam o ritmo da obra e da leitura;

2 - O romance retoma os angélicos na literatura fantástica brasileira através da narrativa da história de Thomas, um mestiço que incorpora a típica jornada do herói numa luta incessante em busca de uma artefato, o speculum animae, e também de suas próprias raízes, tudo isso enquanto precisa esconder-se dos seres do inferno e dos céus;

3 - Não lhe faltam também alianças e traições, e claro, romance através de sua delicada relação com Mariana, sendo que tais questões ficam ao fundo de sua busca por liberdade visto que é perseguido por diferentes seres enquanto é aguardado por outros;

4 - Portanto, o que temos aqui até então já nos leva para os elementos clássicos presentes nas obras de literatura fantástica, o que certamente agradará aos fãs mais exigentes do gênero, até porque Ceres Marcon conta sua história numa prosa segura e bem escrita numa narrativa que permite-nos dizer que poderia ser observada por grandes editoras diante os atrativos da publicação;

5 - Além disso, a autora consegue com bastante naturalidade ambientar sua narrativa num cenário conhecido de cidades gaúchas como Caxias do Sul e Porto Alegre, contudo sem perder a universalidade da trama fazendo com que se sobressaísse apenas a paisagem. Deste modo ela amplia a probabilidade de leitores ao mesmo tempo que não perde o local de vista;

6 - Mas certamente a marca do romance é sua ação ininterrupta. Seus personagens a partir do momento que são jogados à aventura não terão mais tempo para reflexões, a dedicação total terá de se dedicar à lutas e às fugas e enquanto fazem isso é que precisam "amarrar" os laços narrativos e irem deslindando os mistérios e os segredos que os envolvem sem nunca puderem baixar a guarda ou descansar as espadas;

7 - Justamente por isso é uma narrativa que exige energia não somente dos seus personagens como de seus leitores que encontrarão entre uma luta e outra os breves momentos de descobertas, porque não há pausa, o tempo corre, urge, como se fosse um thriller cuja ação inicial está sempre elevando-se gradativamente conseguindo inclusive manter o clima ascendente de perigo e ação mesmo numa obra que já começa a cem por hora;

8 - Ainda vale comentar que a obra de Ceres Marcon é bastante visual, o que para um trabalho de literatura fantástica é essencial visto que são narrativas que geralmente demandam grandes imagens, o que nesse livro não decepciona o leitor já que além de bastante descritivo, suas criaturas e seus cenários constituem um plano visual muito interessante;

9 - Por outro lado, em meio a tanta ação e imagens de impacto, num ou noutro momento é possível que o leitor se perca em determinadas situações, mas nada que prejudique a leitura. Além disso, talvez, mesmo os heróis mais valentes precisem de um pequeno espaço de descanso, o que não ocorrer a Thomas que do princípio ao fim do livro estará imerso em muita, mas muita ação mesmo.

10 - Enfim, O Ascendente é uma competente narrativa fantástica e sem exagero está entre as principais obras no gênero pois com sua escrita qualificada, sua trama bem engendrada e suas imagens dotadas de grande impacto e beleza plástica é uma boa leitura para os fãs da literatura fantástica brasileira e também sinal de fôlego do gênero.



sexta-feira, 10 de março de 2017

, ,

5 Razões para não perder o lançamento de Festas do Brasil

Olá Pessoal! Hoje temos uma dica muito interessante, especialmente para quem além de amar os livros, ama também os livros de arte. Neste post selecionamos 5 razões para você não perder o lançamento de Festas do Brasil, de Marilúcia Bottallo que está sendo lançado pela Companhia BrasileiraConfira abaixo as razões para não perder este lançamento, além é claro do convite para que todos estejam por lá:

1 - Publicado pela Companhia Brasileira de Arte, Cultura e Esportes, fundada em 2014 e que desde então vem desenvolvendo diversas atividades em parceria com grandes instituições do meio cultural. A Companhia acredita que o sucesso que a ela atribuído é mérito de um time de profissionais do mais alto gabarito, que constantemente superam metas e conquistam novos horizontes. A empresa também reconhece que a iniciativa privada tem uma participação fundamental para que o Brasil chegue mais longe. Por isso, estão em seu foco projetos relacionados a educação, saúde, cultura, sustentabilidade, resgate histórico e inclusão social.;

2 - O Livro é inspirado em nossas manifestações culturais e na alegria de nosso povo brasileiro, “Festas do Brasil” é um o livro grandioso que vai apresentar imagens e informações sobre as principais festas populares brasileiras. Surgidas a partir do processo de miscigenação entre as influências europeias, africanas, orientais e indígenas, elas, em suas diversas formas e cores, evidenciam nossa imaginação, aguçam nossa curiosidade e resgatam nossa história;

3 - Além de imagens fantásticas, as obras publicadas pela Editora Brasileira são reconhecidas por seu acabamento de alto padrão, e ainda, apresenta textos bilíngues num conjunto de expressividade e beleza, com isso encantando o público amante das festas nacionais as quais enaltecem a alegria do nosso povo e atraem olhares do mundo inteiro.;

4 - Além disso, o livro apresenta uma espetacular sequência de diversidade e costumes encontrados nas mais diversas regiões do Brasil em manifestações como Carnaval, Bumba-Meu-Boi, Congada, Dia de Reis, São João, Círio de Nazaré e Festival de Parintins;

5 -Enfim, o folclore brasileiro tem sido frequentemente estudado por intelectuais de todas as áreas. A doutora em Ciências da Informação Marilúcia Bottallo escreve neste livro história e fatos da cultura e do folclore brasileiro em textos e legendas de lindas imagens cheias de cores, brilhos e alegrias das festas que acontecem ao longo dos anos no Brasil. Veja a data e local de lançamento. Não perca, compareça e prestigie este importante momento da cultura brasileira.



quinta-feira, 9 de março de 2017

, ,

10 Lançamentos de Março de 2017 para ter na estante

Olá pessoal. Elaboramos uma lista com os principais lançamentos deste mês de março de 2017 que ficariam todos faceirinhos nas suas estantes, confiram:

1 - A Mãe, a Filha e o Espírito da Santa, de P. J. Pereira: Uma história sombria, violenta e por vezes engraçada do despertar de uma mulher que, conforme relatos, foi anunciada pelos anjos como a nova Messias. A história começa na cidade maranhense de Codó, onde nasce Pilar, filha de uma mãe de santo do terecô. De lá, segue rumo a Brasília, onde conhece o misticismo new age e as igrejas evangélicas, e chega a São Paulo para se tornar a líder espiritual mais poderosa do país... + na Saraiva

2 - O Sol Também é Uma Estrela, de Nicola Yoon: Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica... + na Saraiva

3 - Quatro Estações em Roma, de Anthony Doerr: Um livro de memórias bem-humorado e sensível. No dia em que Anthony Doerr e a esposa voltam da maternidade com seus gêmeos recém-nascidos, ele descobre que recebeu um prêmio da Academia Americana de Artes e Letras, o Rome Prize, que inclui ajuda de custo, um apartamento e um estúdio para escrever na Itália. “Quatro estações em Roma” nasceu das memórias do ano que o autor passou na cidade com a esposa e os filhos...+ na Saraiva

4 - Cantos do Pássaro Encantado, de Rubem Alves: Uma reunião de crônicas sobre as fases do amor, desde o encantamento inicial, quando tudo é sonho e os olhos dos amantes só existem para o outro, até o fim melancólico de uma história que, por diversas razões, ou sem razão alguma, não pode mais existir... + na Saraiva

5 - A Casa no Lago, de Thomas Harding: Aconchegante casa às margens de um lago onde os avós do autor viveram dias de alegria e afeto em família teve que ser abandonada nos anos 1930, quando os nazistas chegaram ao poder, sobreviveu a incêndios e tempestades, abrigou cinco famílias que ali buscaram refúgio nos anos seguintes, testemunhou traições e assassinatos, resistiu ao trauma de uma guerra mundial e à divisão de uma nação. Prestes a ser demolida, a casa no lago é revisitada por Harding neste livro minucioso e emocionante... + na Saraiva

6 - Jardins da Lua, de Steve Erikson: Desde pequeno, Ganoes Paran decidiu trocar os privilégios da nobreza malazana por uma vida a serviço do exército imperial. O que o jovem capitão não sabia, porém, era que seu destino acabaria entrelaçado aos desígnios dos deuses, e que ele seria praticamente arremessado ao centro de um dos maiores conflitos que o Império Malazano já tinha visto. Paran é enviado a Darujhistan, a última entre as Cidades Livres de Genabackis, onde deve assumir o comando dos Queimadores de Pontes, um lendário esquadrão de elite... + na Saraiva

7 - O Mistério dos Cavalos Alados, de Megan Sheperd:Nosso mundo tem cores. Você só precisa saber onde procurar. Existem cavalos alados nos espelhos do Hospital Briar Hill – esses espelhos refletem os elegantes quartos que já pertenceram a uma princesa, mas que agora são o lar de crianças doentes. Somente Emmaline pode enxergá-los. Este é o seu segredo...+ na Saraiva

8 - A Última Mensagem de Hiroshima, de Takashi Morita: Era 6 de agosto de 1945. Ninguém poderia prever, mas foi neste dia que a vida de inúmeros japoneses – e das gerações subsequentes – mudaria para sempre. As consequências da bomba atômica foram devastadoras, e não apenas no que diz respeito à saúde daqueles que se encontravam nas imediações do epicentro, como é o caso do Sr. Takashi... + na Saraiva

9 - A Chave de Rebecca, de Ken Follett:Norte da África, Segunda Guerra Mundial. As tropas britânicas na região estão sofrendo perdas significativas. Não há dúvidas de que alguém está informando o inimigo sobre os movimentos e planos estratégicos do exército britânico. O espião é conhecido por seus compatriotas alemães como Esfinge, mas para todos os outros é o empresário europeu Alex Wolff. Após cruzar o deserto, ele chega ao Cairo, no Egito, munido de um rádio, uma lâmina letal e um exemplar do livro Rebecca, de Daphne du Maurier... + na Saraiva

10 - Pecadora, de Nana Pauvolih: Todos nós éramos pecadores. Somente uma coisa diferenciava um pecador: as escolhas. Saber o certo e escolher seguir pelo caminho errado em vez de fazer o que era correto. Fechei os olhos. Apesar de tudo que tinha feito naquela noite, não me arrependi. Era pecado, era perdição, mas também era mais do que eu já tinha sonhado em ter... + na Saraiva

quarta-feira, 8 de março de 2017

, ,

10 Empoderadas escritoras brasileiras

Machistas, tremei-vos, porque sim, nós vamos utilizar a palavra empoderada para esta seleção de grandes e ativistas escritoras brasileiras que devem ser lidas e lembradas não num único dia do ano, mas sim, diariamente, porque lugar de mulher também é na literatura. Neste post 10 empoderadas escritoras brasileiras:

1 - Sheyla Smanioto: Uma das autoras contemporâneas mais ativas e cuja obra, Desesterro trata de forma crua e impactante a situação das mulheres na sociedade brasileira, especialmente sobre a violência por qual passam num livro de personagens fortes e resistentes;

2 - Janine Rodrigues: Ativista, a autora estreou na literatura trazendo para os livros uma forte luta pela valorização da cultura negra escrevendo contos que suas leitoras pudessem se identificar. A autora mantem seus trabalhos no projeto Piraporiando que vocês podem ver no site;

3 - Fernanda Young: Autora de vários livros, a escritora é uma das principais vozes a representar a participação da mulher, tendo sucesso inclusive em programas de televisão como na GNT, onde questões de todos os aspectos são debatidas no Saia Justa;


4 - Marcia Tiburi: Uma das principais pensadoras progressistas do país, a escritora e filosofa, percorre o país em palestras que debatem tanto o empoderamento da mulher, mas também a necessidade de construção de um mundo mais humano e falando de resistência;

5 - Fernanda Torres: Atriz, cronista e escritora, é uma das mais cultas autoras brasileiras e que se destaca por trabalhos cheios de identidade, seja na literatura, seja na televisão;

6 - Elvira Vigna: Jornalista e escritora de uma obra singular, a autora através de sua literatura, como no caso de Como Se Estivéssemos em Palimpsesto de Putas a sociedade patriarcal e masculina é posta à prova numa narrativa brilhante;


7 - Conceição Evaristo: Militante do movimento negro de família de cozinheiras, a autora é uma voz forte do empoderamento, hoje Doutora em Literatura e autora de obras que  evidenciam a cultura afro num resgate e corrigir histórico;

8 - Lygia Bojunga: A escritora pelotense começou como atriz atuando no teatro, mas com o tempo veio a se tornar a maior escritora brasileira de obras infanto-juvenis recebendo diversas premiações do gênero;

9 - Ana Maria Gonçalves:   Escritora engajada com dois romances publicados, dentre eles o premiado Um Defeito de Cor,  e em 2016 estreou no Teatro na peça Tchau, Querida, dirigido por Wagner Moura;

10 - Ana Paula Maia: Para quem ainda acha que brutalidade não pertence ao universo das escritoras essa autora destrói falsos mitos com sua trilogia dos brutos, sendo que seus livros encontram grande aceitação crítica no país e fora;
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...