Header Ads

8 Principais problemas da leitura no Brasil

 Depois de alguns anos de experiência aqui no blog; também o conhecimento e leitura de pesquisas importantes como Retratos da Leitura no Brasil; palestras e confissões de autores, editores, enfim, de diferentes pessoas envolvidas no meio editorial, neste post rabiscamos alguns dos principais problemas da leitura no Brasil. Confira:


1 - O brasileiro lê pouco: Bem verdade que nunca se leu tanto, especialmente essa infinidade de textos, ficcionais ou não que circulam pela internet. Esse é um dado a ser considerado. Ainda assim quando se pensa em leitura e literatura e livros, o brasileiro em média segue lendo pouco, muito pouco mesmo. A mais recente pesquisa RLB, por exemplo, mostra que o país perdeu mais de 4 milhões de leituras, confirmando a percepção de que os bons ventos chegaram a soprar, já mudaram de direção. O fato é que o brasileiro lê muito pouco livro, e essa é uma realidade que tem sido difícil enfrente;

2 - A qualidade da leitura: Se a média de leitura de livros pelos brasileiros já é baixa, o cenário é ainda pior quando dentre aqueles que são considerados leitores observamos que tipo de leitura é declarada. Livros religiosos e de auto-ajuda lideram a preferência, o que já é um bom indício do cenário desastroso que têm sido esse país;

3 - Ficção com baixa procura: Não são poucos os estudos e as obras que dão conta da importância da leitura de ficção na construção de nossa autonomia crítica. Entretanto, as maiorias das pesquisas e as próprias listas de mais vendidos revelam que a ficção não é muito popular entre nós. Isso é um problema bastante grave, pois qualquer nação que procure ser reconhecida precisa de uma literatura ficcional consistente e renovada. Nos até temos, mas o alcance, bem o alcance precisa melhorar e muito... inclusive para dar conta de toda nossa diversidade;

4 - Falta de uma literatura de massa com qualidade: A literatura no país está muito relacionada a certo esnobismo. Como se na literatura estivessem grupos de iniciados portadores de alguma verdade que não pode ser partilhada. Isso é fruto, em parte, de certo intelectualismo incapaz de ver os riscos dessa postura. Mesmo gêneros massivos, como a ficção científica, por aqui não passam de grupos ou pequenos grupos. Claro que a quantidade de leitores tem impacto nisso. Ainda assim seria interessante se tivéssemos uma literatura de alcance às massas, mas com qualidade. Os exemplos que já se teve por aqui não atingem tal ponto;

5 - Pouco espaço para novas vozes: Nas leituras aqui no blog nos deparamos com muitas leituras qualificadíssimas as quais foram publicadas de forma independente ou outros meios. Obras que não tiveram espaço no mercado editorial tradicional, que em grosso modo ainda exerce um grande filtro naquilo que vem a ser chamado de literatura brasileira contemporânea. Às novas vozes o desafio de abrir espaço, e aqui não se pode observar com romantismo a questão. Mesmo uma obra genial se não tiver distribuição, acesso a leitores críticos, raramente ela sairá das sombras;

6 - Literatura contemporânea egocêntrica: Para ser justo, aos poucos temos percebido maior espaço para a literatura com sumo de literatura. Uma literatura capaz de entrar no problema das coisas, de ser o que é a literatura, inclassificável e desveladora das verdades. Ocorre que em boa parte da literatura contemporânea tivemos uma exaustão de narrativas em primeira pessoa marcadas pelos dilemas pequeno-burguês que se distanciou e muito do "Brasil real". Por isso não me surpreende o modo como os intelectuais brasileiros foram acachapados como quem atropelado por uma jamanta com a eleição de Bolsonaro. A leituras que a literatura vinha fazendo da nação se mantinham distantes do tal "Brasil profundo", um profundo mesmo em grandes metrópoles. Grande parte da literatura nacional enquanto viajava em Nietzche, Focault, Sartre, etc... não percebia as correntes humanas que se moviam sob esse universo acadêmico. Poucos autores recentes escapam disso, um Ruffato, um Mutarelli, uma Ana Paul Maia são exceções nas grandes casas editoriais;

7 - Crítica distante: Aqui quando falo de crítica, falo especialmente da academia. Na maioria dos cursos de letras veremos professores de literatura pouco dispostos a enfrentar ou conhecer coisas novas, a despeito de todos os riscos. De modo geral tratam daqueles autores já ratificados por suas editoras, pelos prêmios, pelo renome que já construíram. Além disso, cultuam qualquer ojeriza com aquilo que lhes soe popular. Acontece que a academia é um espaço de construção do cânone, justamente por isso deveria talvez se arriscar mais;

8 - Elitismo: Quando Paulo Guedes falou que ler livros é coisa de elite, no todo não estava errado. Ocorre que um governo decente teria de justamente trabalhar para mudar esse cenário e sem querer tutelar a leitura. Ocorre que discutir e estudar literatura no Brasil ainda é encarado como algo mais próximo das elites, e isso não vem só dessa direita tosca não. Muito dito esquerdista que vez ou outra acha que tal leitura não é para esse ou aquele. Há um certo isolamento em bolhas que institui verdadeiros círculos de privilegiados; 


Nenhum comentário