Header Ads

Escreva Como Uma Garota! 10 Escritoras porretas para você começar a ler hoje mesmo

#MeToo, #EleNão, Movimento contra Donald Trump. A revolução feminina e feminista prossegue combativa no Século XXI, pois enquanto a sociedade patriarcal e machista manter suas nefastas condutas, haverá motivos para a luta das mulheres. No post de hoje selecionamos 10 escritoras porretas para começar a ler hoje mesmo. Grande parte da lista com livros que tratam muitas vezes do corpo, poi sim, inacreditavelmente nossa sociedade desigual ainda tentar manter o domínio sobre algo que é apenas das mulheres, seus próprios corpos. Confira a lista e #EscrevaComoUmaGarota:

1 - Margaret Atwood: O reacionarismo religioso e a poluição das democracias com diversas tentativas no mundo de se reeditar Estados teocráticos (Brasil surfa esta onda) colocam ainda mais em evidência os escritos desta autora canadense. O conto da aia além de retratar uma distopia feminina traz uma mensagem ainda mais alarmante, pois como descobrimos na saga de Offred a conquista de direitos e de liberdade é apenas o passo inicial, pois ainda mais difícil é mantê-los, pois que ondas reacionárias de uma hora para outra podem trazer retrocesso;

2 - Sheyla Smanioto: A escritora brasileira num sufocante naturalismo tomado agora pelos dramas femininos ganhou com Desesterro o Prêmio Sesc de 2015. É um dos retratos mais duros da condição feminina neste país que se chama Brasil, provavelmente umas das nações mais inimiga das mulheres. Esse é um livro que todos nós deveríamos ler (Inclusive já a entrevistamos aqui no blog);

3 - Carmem Maria Machado: A autora americana leva para seus contos algo que não se vê com facilidade naquela literatura: o estranho, certo realismo maravilhoso, enfim, características de literaturas marcadas por grandes traumas e rupturas. Em seu O Corpo dela e outras farras temos contos de grande relevância, em boa parte tratando do corpo e das pressões sociais enfrentadas pelas mulheres. Uma excelente leitura;

4 - Ana Paula Maia: Não raro nos deparamos com aquelas frases bestas, "mulher não consegue escrever romances policiais" (sério, nem sabia que Agatha Christie era homem), "mulher não sabe escrever sobre violência". Ah, quanta bobagem. Nada é mais imbecil que ater-se a estereótipos e bons autores e autoras são capazes de nos narrar o que quiserem. Que o digam as narrativas cruas, tenebrosas, violentas e humanas desta escritora brasileira, que na opinião deste mero blogueiro é a literatura mais relevante e contundente destes tempos recentes no Brasil;

5 - Naomi Alderman: Escritora inglesa em seu romance O Poder literalmente inverte o jogo, dando às mulheres poderes para o enfrentamento à sociedade machista. É todavia uma obra com suas contradições e dialéticas, mas isso é o que esperamos de narrativas relevantes. Sua narrativa girl power é quase uma convocação ao combate;

6 - Janaína Buccioli: A escritora brasileira tem até agora apenas um pequeno livro de contos publicado, Das Meninas e das Outras, mas os contos que ali estão são tão relevantes e impressionantes quanto os de Carmem Maria Machado. Vale a pena mesmo conhecer este trabalho;

7 - Leni Zumas: Em seu As Horas Vermelhas temos outra obra com certa influência de Atwood, mas com sua maneira peculiar e pungente de abordar os dramas femininos. A bem da verdade, em conjunto, as obras destas autoras revelam-nos um cenário preocupante sobre como ainda em pleno Século XXI temos uma estrutura social tão hostil à mulheres;

8 - E. Lockhart: Para quem curte leituras juvenis as obras desta autora são muito relevantes, especialmente porque elabora suas personagens feministas e protagonistas com grande força, e ainda que não de forma mais explícita, sua obra com naturalidade vai revelando que o lugar das garotas são onde elas bem desejarem;

9 - Ayọ̀bámi Adébáyọ̀: Vamos tornar ainda mais plural nossa lista com essa autora nigeriana. Em Fique Comigo temos um retrato duro da posição da mulher naquela sociedade, sofrendo pressão não só da cultura machista, mas sob a carga de toda a ancestralidade cultural. Uma obra com diversas portas interpretativas;

10 - Rose McGowan: Embora em Coragem, claro, a atriz fale das denúncias de assédio em Hollywood, o livro é mais amplo, alerta e denuncia as tantas seitas espalhadas mundo a fora, algumas das quais ela foi vítima. A atriz no centro de um furacão é um dos nomes mais debatidos das lutas feministas recentes.

* Esta lista foi elaborada no conjunto de nossas leituras aqui no blog. Há certamente muitas outras autoras fenomenais. Inclua-as em nossos comentários.

Nenhum comentário