Header Ads

Sempre Alerta! 10 Considerações sobre A Batalha do Acampamonstro, de Jim Anotsu

O Blog Listas Literárias leu A Batalha do Acampamonstro, de Jim Anotsu publicado pela editora Nemo do grupo Autêntica; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Naturalmente mágico e bastante sedutor, A Batalha do Acampamonstro é certamente umas das melhores publicações juvenis enquanto literatura nacional e rivaliza com qualquer semelhante mágico estrangeiro nos quesitos mais atraentes ao projeto que se propõe;

2 - Todavia, para justificar nossas loas a este belo livro, precisamos, claro, justificar nossos elogios ao trabalho de Anotsu. A começar, claro, dizendo que a obra é bastante eficiente naquilo que se propõe, ou seja, uma fantasia criativa consolidada por uma narrativa envolvente e divertida numa trama bem tecida e personagens que por mais que bebam nas diferentes fontes da fantasia, são dotados e identidade e personalidade próprias tal como Harry Potter, os irmãos Pevensie ou Percy Jackson;

3 - Na verdade todo o universo estabelecido na obra consegue assumir uma identidade própria que o distingue sem afastar-se das referências. Além do mais, ao partir do escotismo, seus grupos e suas atividades, aqui levados para um lugar cheio de criaturas, personagens e lugares incríveis, o livro alcança sua voz própria num chamado clássico à aventura, e a diversão, claro, depois de abstraídos ou vencidos os perigos;

4 - Em síntese, aliás, o romance se aferra nos pilares clássicos da luta contra um mal que irrompe a partir da sagacidade, impetuosidade e acima de tudo, coragem de jovens protagonistas integrantes de um grupo de escoteiros da Ilha do Enforcado. Nesse sentido, o Acampamonstro não deixa de ter suas pitadas mágicas de Hogwarts, mas congregando outras fontes, das aventuras piratas aos dragões, de zumbis e morto-vivos, isso tudo num mundo crível e com ares surreais ao estilo de um Desventura em Séries, mas sempre com esse reforço de ter alcançado seu próprio lugar, sua identidade enquanto literatura infantojuvenil;

5 - Assim, temos então personagens divertidos e sarcásticos que permanecerão no ideal imaginário de seus leitores, o que colabora para indicar o êxito da narrativa. Além disso, os quatro protagonistas, Nemo, Louise e a garota-zumbi Jujuba e Enrolado, um jovem múmia entrar para o hall dos belos personagens jovens de nossa literatura, e como demanda o gênero, encarnam a impetuosidade da idade, especialmente quando ignorando os avisos, os castigos e os perigos, passam a investigar coisas estranhas no acampamento e na ilha;

6 - A partir disso, temos então a clássica jornada destes heróis envoltos com monstros que desejam matá-los, segredos maldosos de um passado sombrio, e para auxiliar na dinâmica um caldinho de romance de detetives, ainda que nossos detetives estejam mais para abelhudos que não ouvem os conselhos de uma avó bastante severa, mas também poderosa e mágica;

7 - Então, com tudo isso juntamos uma caldeirão de virtudes levados por um ritmo dinâmico e envolvente como poucas vezes vistas na literatura fantástica nacional, equilibrando seu humor, seu ritmo de aventura, e não esquecendo-se porém, de elementos importantes para o gênero, como descrever a formação dos diferentes laços juvenis, especialmente a amizade e uma conduta ética altruísta;

8 - E o que me chamou atenção é tamanha naturalidade com que nos encantamos e submergimos na aventura. Vi em algumas tentativas de fantasia nacional mera emulação das referências do gênero, entretanto aqui não trata-se disso, porque tais referências resultam numa autenticidade original que revestem a publicação de uma aura bastante interessante;

9 - Além disso, há mensagens sob a ponta do iceberg muito interessantes para aqueles que gostas de esmiuçar as narrativas independentemente do entretenimento. Não digo que há uma leitura atual, visto que o processo histórico tem diferentes ciclos, e o livro trata tangencialmente disso ao lembrar-nos que os grandes perigos e males nunca estão vencidos de pleno, suas sombras estão sempre a espreita por um novo tenebroso despertar, caso do Rei Pálido que assombra esse universo fantástico, um Voldmort ou tantas outras criaturas que simbolizam e nos lembram que o mal adormecido teima em tentar novos regressos;

10 - Enfim, A Batalha do Acampamonstro é leitura imperdível, independente da idade do leitor, mas seria muito legal que o víssemos em escolas, entidades, em fim, circulando entre o publico a que se destina, pois não temos dúvidas de seu potencial de encantamento.




Nenhum comentário