Header Ads

8 Melhores livros brasileiros publicados pela Chiado Editora

Uma grande parte de leitores (e possíveis futuros autores) chega ao blog buscando informações sobre editoras e possibilidades de publicação. Destes, muitos também trazem questionamentos sobre a Chiado Editora, uma editora portuguesa que tem publicado muitos autores e autoras em seu formato híbrido (autores bancam parte da publicação). Pensando nisso, e, claro, trazendo mais o olhar como leitor de muitas obras da Chiado, pensamos nesta lista, e parte para falar um pouco dessa casa editorial.

Por ser um formato híbrido que no geral é praticamente autopublicação, as obras da editora podem ser um tanto díspares, pois publicam todos que tenham interesse. O que significa que é um projeto interessante para autores com ambições profissionais e já apresentem uma obra bem preparada, com leituras críticas, revisões consistentes, porque quando não assim, se deixado tudo para a edição teremos livros com problemas. Não é o caso, porém destas obras que integram a lista, uma seleção de obras que poderia conquistar outros espaços editoriais, e que de certo modo valorizam o próprio catálogo da Chiado. Mas antes de passar para a lista, dois destaques então: o primeiro de que é uma boa casa de publicação se o autor estiver disposto a investir e conviver com outras obras nem tão boas no catálogo, e o segundo é que o material da editora, especialmente a capa, para o leitor, bem que poderia ter uma melhor qualidade. Mas enfim, para nós, nesse post o que vale são os bons exemplos, confira 7 bons livros brasileiros publicados pela Chiado:

1 - Memorial das Flores, de Mariângela Souza Ragazzi: Uma obra de narrativa consistente e bem elaborada capaz de construir uma saga familiar que poderia estar em qualquer selo editorial de renome, sendo que autora demonstra grande domínio da estética literária;

2 - O Mosaico, de Nikolai Streisky: O autor já foi tema doutras listas por aqui, e sua publicação é excelente para quem procura a complexidade da ficção científica que aqui está aliada às histórias de detetive;

3 - Birman Flint e o Mistério da Pérola Negra, de Sergio Rossoni: Ainda que em determinados momentos a narrativa derrape em algumas curvas, o épico antropomórfico inspirado na história russa é bastante peculiar para a escrita brasileira e possui virtudes que fazem valer a leitura;

4 - Azares e Sorte, de Helio Sampaio: Para quem curte crônicas bem humoradas, embora pequetito, esta é uma leitura prazerosa a partir de uma escrita bastante autoral;

5 - A Reportagem, de Bettina Muradás:  Uma narrativa entre o thriller e o romance policial com doses amenas de erotismo que é bem escrita, soft-light, que pode agradar uma boa parcela de leitores;

6 - O Legado da Ruína, de William Tannure: Uma fantasia que privilegia a ação, e mesmo com seus deslizes ou questionamentos que pode provocar, trata-se de um bom exemplar dentre as recentes obras da literatura de fantasia publicadas no Brasil;

7 - O Grande Assaltante, de Alice Dias: Aqui uma obra cuja edição poderia ter ajudado mais. Uma narrativa estranha  cuja ambientação nos lembra o aspecto soturno de um O Médico e o Monstro. Uma boa dica para leitores capazes de contextualizar a leitura;

8 - O Livro do Destino, de Raphael Miguel: Embora no conceito sem grandes novidades, a fantasia jovem do autor é bem elaborada e bem construída marcando sua estreia na literatura, que hoje conta já com outras publicações.

Nenhum comentário