Header Ads

10 Poemas com e sobre canetas

Caneta azul/azul caneta... sim, sim se você é deste planeta chamado Brasil está ligado do que se trata os versinhos aí postos. Sim, versos, e versos fazem poesias e sem essa de ficar virando o nariz, pois se algo aparentemente simples recebe tamanha repercussão é porque merece ser discutido. Aliás, isso nos abre a uma série de virais ou ideias intertextuais que como as poesias anedóticas de um Laurindo Rabello podem ser ampliadas, mudadas, multiplicadas, afinal, as cores são muitas e as canetas também, não é...

Caneta vermelha,
Vermelha caneta,
Nóis é comuna
Capital é o capeta

Caneta verde,
Verde caneta
Salve a Amazônia 
pra Salvar o planeta

Caneta preta,
Preta caneta;
Quem canta
É o boi da cara preta

(...)

Mas a gente só joga a ideia, pois o que nos interessa nesse post é trazer 10 poemas com e sobre canetas, confira:

1 - Eu que pergunto para a caneta, Gabriel, o Pensador;
2 - A caneta, de Paloma Stella Amaral;
3 - A caneta preta, de Manuel António Pina;
4 -  Minha Caneta, Gabriel, o Pensador;
5 - Caneta assassina, de Maria Sousa;
6 - As Três Canetas, de Maurício Irineu;
7 - A caneta de ouro e a enxada caipira, de José Tavares
8 - Ode à caneta operária, de Serginho Poeta;
9 - Caneta, de Luciano Martins;
10 - Escrevo diante da janela aberta, de Mário Quintana.

Nenhum comentário