Header Ads

10 Considerações sobre Eu sou Eric Zimmerman Vol. II, de Megan Maxwell

O Blog Listas Literárias leu Eu sou Eric Zimmerman Vol. II, de Megan Maxwell publicado pela editora Planeta; neste post as 10 considerações da Gi sobre o livro, confira:

1 - Spin-off de Peça-me o que quiser. Eu sou Eric Zimmerman Volume II segue a trajetória de seu protagonista, contada agora na perspectiva do próprio Eric dando o tom pessoal do personagem com o universo erótico em que vive;

2 - A narrativa deste volume começa na lua de mel de Eric e Judith cuja perfeição é trocada pelos problemas quando do retorno do casal para casa e suas novas vidas, especialmente porque é quando ele passa a demonstrar todo seu lado possessivo e mandão;

3 - Como, então, Judith não baixa a cabeça para Eric, as brigas se intensificam, até porque o contraste entre os dois pensamentos, ela aventureira e à procura de fortes emoções e ele paranoico e capaz de ver perigo em tudo faz saltar faíscas no relacionamento a dois. Além disso, há em parte as manifestações machistas dele, como em relação ao trabalho;

4 - Isso confere ao livro altas doses de tensão e intensidade em que as brigas andam lado a lado com os momentos de amor e paixão, intensidade essa que reflete-se também no sexo e nas aventuras que eles têm enquanto swingers em casas noturnas ou com amigos;

5 - Por tratar-se dessa vez de uma narrativa em primeira pessoa, é possível acessarmos Eric Zimmerman em sua intimidade, o que em muitas passagens, por certo levantará nossa ira enquanto leitoras, pois algumas de suas condutas muitas vezes nos levam à raiva, especialmente em sua grande capacidade de agir ou se tornar um babaca;

6 - Na verdade, Eric é um sujeito difícil de se lidar, explosivo e controlador, entretanto em sua defesa podemos dizer que é bastante apaixonado por Judith, fato que por causa da narrativa ser justamente nessa primeira pessoa, aumenta bastante os momentos de conflito entre leitora e narrador;

7 - Além disso, podemos ver nesse livro acentuarem-se os defeitos do protagonista, inclusive que a despeito de suas escolhas e práticas sexuais, acaba entregando-se a sentimentos como medo e ciúme o que o faz passar muitas vezes dos limites já discutidos aqui acerca de seu comportamento;

8 - Vale dizer ainda que no caso desse spin-off, embora saibamos tratar de uma perspectiva de uma história já conhecida a leitura mais do que em alguns casos semelhantes deixou a impressão de se tornar repetitiva demasiadamente, o que em alguns momentos prejudicou a aderência à leitura;

9 - Embora isso, contudo, o romance mantém a pegada intensa enquanto romance erótico, não arrefecendo a temperatura nesse aspecto, mantendo sua lascívia enquanto narrativa excitante;

10 - Dito isso, por fim podemos dizer que é um bom livro, principalmente para quem deseja ampliar as perspectivas do universo de Peça-me o que quiser, tirando, é claro, aqueles momentos que sente-se vontade de dar uns bons tabefes em Eric Zimmerman.


Nenhum comentário