Header Ads

10 Considerações sobre A Garota do Orfanato Sombrio

O Blog Listas Literárias leu A Garota do Orfanato Sombrio, de Temple Mathews publicado pela editora Jangada; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Movimentado em com linguagem do cinema e da televisão, A Garota do Orfanato Sombrio é suspense em ritmo moderado e com atrativos que nos fornece algumas horas de entretenimento numa narrativa que mistura elementos de diferentes gêneros populares da literatura;

2 - O suspense e o sobrenatural juvenil surgem quando Echo, a protagonista do romance descobre-se então morta e habitante de um orfanato no meio do caminho entre os mortos e os vivos, escolha, aliás, que de certo modo aponta para as crenças e filosofias da própria autora, trabalhando no livro com a aceitação desse universo sobrenatural que coloca a obra dentro da literatura fantástica e reforça que o gênero permanece forte entre os jovens leitores;

3 - Há também a pitada de narrativa policial já que dentre as missões da protagonista e seu grupo de amigos e amigas a de investigarem assassinatos, ainda que tal jogo seja feito de forma um tanto diversa das histórias de detetives, sendo este muito mais resolvido nos golpes de sorte e nas sequências de falsas suspeições com que a autora vai desenvolvendo as possibilidades que atraem para a leitura;

4 - E claro que não ficaria de fora os elementos de romance juvenil que neste ou noutro mundo assegura espaço para histórias de amor improváveis, com encontros e desencontros a mexer com corações apaixonados;

5 - Echo então movimenta-se por tais gêneros literários constituindo-se como uma personagem em transmutação que realizará descobertas sobre si mesma, o que aliás, acabará promovendo alguma reflexão sobre seu comportamento e quanto a imagem auto construída desfazendo e refazendo conceitos enquanto precisa descobrir o que levou-a até aquele inóspito lugar;

6 - Portanto, embora de elementos sobrenaturais e uma narrativa cuja essência é o suspense e o sobrenatural, inclusive com a construção de cenas de bastante impacto visual (mais uma vez a linguagem do cinema), no todo há leveza no horror e no fantasmagórico de modo que o terror tênue leva-nos mais à aventura que propriamente ao medo;

7 - Além disso, é uma narrativa de certa urgência, isto no sentido da ação que é constante e intensa visto que suas personagens estão em movimento permanente entre assombros e investigações, o que torna o texto bastante dinâmico;

8 - Entretanto vale discutir, porém, que há na centralidade do texto uma questionável e perigosa legitimação da vingança, combustível dos moradores do orfanato sombrio. É bem verdade que há leve insinuação da validade da vingança como filosofia de justiça, entretanto extremamente tênue se comparada com a legitimação desta escolha pelos atos e pela própria estrutura narrativa do romance;

9 - Essa questão da legitimação da vingança é algo delicado, especialmente quando vemos o quão distorcidas estão certos conceitos nos dias atuais, visto que o olho por olho e o dente por dente deveriam em nosso processo civilizatório ser uma coisa superada, contudo não raro a prática da vingança acaba surgindo banhada de valores heroicos, que no caso desta obra, pelo menos na perspectiva deste leitor, acaba sendo uma nota negativa enquanto conceito;

10 - Enfim, ponderando-se a escolha da legitimação da vingança, A Garota do Orfanato Sombrio de modo geral cumpre com sua proposta de entreter com ação, suspense e boa dose de romance, sendo assim uma leitura rápida a atraente, e que para quem curte cenas de assombro, pode ainda obter mais alguns pontos com seus leitores.


   


Nenhum comentário