Header Ads

10 Considerações sobre Preciso Saber, de Karen Cleveland ou cuidado na CIA

O Blog Listas Literárias leu Preciso Saber, de Karen Cleveland publicado pela editora Planeta; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Entre o thriller de suspense e o drama familiar, Preciso Saber é uma narrativa até que dinâmica e de boa fluidez, contudo, em muitos momentos perde-se em algumas inconsistências e incoerências que irão, ao leitor de thrillers, sobressair-se negativamente, especialmente porque estão mais longe do thriller do que do drama romântico e familiar;

2 - O romance é narrado pela voz em primeira pessoa da agente Vivian Miller, do departamento de contrainteligência da CIA. Trabalhando diretamente na conta sobre a Rússia, que de uma hora para outra vê-se envolvida numa trama internacional de espionagem que para além do seu trabalho, mexerá com sua estrutura familiar;

3 - Na verdade - e aqui certamente entregando mais do que devia - desde o início da trama nos deparamos com uma espécie de Sr. e Srª Smith, entretanto, em vez de mergulhar na ação, a narrativa penetra os impactos familiares que construirão as bases do enredo do livro, levando o foco então, para o romance amoroso, saindo de vez - ao menos literariamente - do suspense e da ação que geralmente possuem tais narrativas;

4 - Há ainda a necessidade, de inclusive, levar-se em conta as limitações da escolha da narradora da obra, pois pelo fato de ser na primeira pessoa - com algumas quebras reveladoras de estrutura - acaba limitando as perspectivas de o leitor construir novas possibilidades para além das próprias dúvidas de Vivian;

5 - Aliás, a protagonista, desglamouriza qualquer ação de espionagem, e de certo modo dialoga com os "espiões" do Século XXI, agentes burocratas longe das armas e do campo, trabalhadores, de acordo com o livro, mal remunerados, que não o são mais que qualquer outro agente trabalhador em indústrias privadas. Esse detalhe, é interessante até, contudo, a ingenuidade demasiada da protagonista, que conta sua história e ainda é incapaz - algo que o leitor o é - de perceber no que está envolvida fazem dela pouco crível como protagonista neste gênero específico;

6 - É que na verdade, em suma, menos uma espiã ou agente secreta, Viv é uma mãe que como toda outra qualquer preocupa-se perder o emprego por causa dos filhos, e que tem de lidar com as desconfianças relacionadas ao esposo, e nisso, de modo até um tanto parvo, ela é incapaz de perceber o óbvio, ainda o narre ao leitor;

7 - Além disso, nesse jogo de inconsistências e incoerências, sem dúvida alguma o que mais chamará atenção dos leitores de thrillers do tipo, e aqui, combinemos, esse é um povo que como diria aquela personagem da Praça é Nossa, "está sempre atento aos mínimos detalhes", ao final perceberá que a própria protagonista seria desnecessária na trama em que foi envolvida, pois a chantagem que se nega a fazer, poderia ter sido feita por outros com o mesmo tipo de acesso e que no fim revelam-se "no lado o posto" o que imediatamente nos leva a perguntar "pra que diabos os russos chantagearam esta mulher, se o trabalho poderia ser feito pelo....";

8 - Portanto, de modo geral a obra tem seus atrativos e seus interesses, principalmente se a procura nesta leitura for por histórias de amor em detrimento do suspense e ação do thriller. É uma narrativa dinâmica com boas reviravoltas e movimentos inesperados que podem agradar determinados leitores;

9 - Por outro lado, levando em conta toda a roupagem da obra, é preciso destacar este afastamento do gênero thriller, pois os contrastes entre expectativa e conteúdo podem ocasionar quebras no contrato de leitura;

10 - Enfim, Preciso Saber é um drama familiar que ocorre num pano de fundo de espionagem, dentro e por causa dele, as que contudo, para além das intrigas nacionais, é uma narrativa que centra-se nas questões e dramas pessoais e familiares de sua personagem, e o suspense é atingido tangencialmente, mas ainda assim capaz de entregar um final, que se para o leitor não chega a ser inesperado, não deixa de ser interessante, e que inclusive reforça e torna ainda ais claro tudo que aqui falamos da narrativa;



Nenhum comentário