Header Ads

10 Considerações sobre Boneco de Pano, de Daniel Cole, ou quem são os monstros?

O Blog Listas Literárias leu Boneco de Pano, de Daniel Cole, publicado pela editora Arqueiro; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Com ritmo eletrizante e uma narrativa capaz de aprisionar seus leitores à leitura, Boneco de Pano reúne os principais elementos do thriller numa obra altamente visual, uma trama macabra e personagens envoltos pelas sombras intrincadas de mistérios, alguns que permanecerão e que se ampliarão com a última e dúbia linha do romance, capaz de deixar-nos ainda em suspenso;

2 - No romance acompanhamos um típico detetive (William Fawkes - "Wolf") rodeado de problemas, uma parceira fiel e um assassinato curioso em que seis vítimas, ou pedaços do que restou delas estão literalmente atados como um boneco de pano que estará interligado ao passado de Wolf. Além disso, o assassino divulga uma lista de novos assassinatos que colocará todos numa contagem regressiva, um verdadeiro relógio da morte;

3 - Segundo a informação, o livro teria sido pensado originalmente como piloto para uma série de televisão, e ainda que não tivéssemos essa informação, ao leitor experiente assim como espectador também experiente, não se passariam despercebidos os recursos cinematográficos e televisivos presentes na narrativa de Daniel Cole, isso tanto nos sentidos positivos quanto nos negativos, pois para além da vibração presente, há elementos que não podem passar em branco numa observação mais crítica;

4 - É que se por um lado temos o ritmo alucinante das produções visuais, por outro, a narrativa será impregnada de alguns clichês que tornam suas personagens e suas ações em determinados momentos um tanto clichês, mas não aquele clichê que gostamos de tolerar, mas sim clichês que acabam afetando a verossimilhança, que em romances policiais é bastante exigida. Além também das opções do foco narrativo que por vezes deixam passar detalhes importantes, quando temos por momentos a caída ao caricato, com personagens a cumprir determinados papéis que já vimos aos bocados, até mesmo nas sátiras do gênero, de modo que teremos comandantes gritões, o novato obstinado, a parceira fiel, o momento de atração sexual, enfim, teremos tudo o que já vimos por ai noutros livros e filmes;

5 - Entretanto isso não significa dizer que não temos nada novo ou interessante na narrativa, pois tanto a posição dúbia do detetive Wolf quanto o desfecho misterioso e provocativo acabam equilibrando as coisas e tornando um tanto mais atrativa e interessante a leitura de modo que tais clichês passam a ser tolerados ao final;

6 - Além disso, o tom humorado da narrativa e suas tentativas de impregnar a leitura de certo humor negro além de aproximá-lo da sátira colaboram um bocado para o farsesco que nos cativa, e assim, além da vibração, teremos instantes de certa diversão que nos coloca diante de uma aventura capaz de entreter, sem talvez tanta seriedade, mas com certeza com muita ação que acaba realizando a tarefa de nos cativar à obra;

7 - Deste modo temos então um livro com muitas personagens reconhecíveis, especialmente a partir de referências de produções visuais que ratificam as intenções iniciais do romance, e que aqui vale dizer, certamente nos proporcionaria uma série que provavelmente eu quisesse acompanhar, mas também uma narrativa policial envolvente com crimes intrincados e investigadores obstinados ou misteriosos que conseguem com certo sucesso nos prender a trama, inclusive para observar suas pequenas incongruências ou escolhas;

8 - É que na verdade somos colocados no centro dos acontecimentos, e caso o leitor deixe-se envolver demasiadamente pela ação talvez não consiga perceber que está diante uma investigação que levanta muitas dúvidas quanto a sua execução apresentada pela narrativa, como por exemplo ,sobre por que estando diante de seis crimes em que partes dos corpos aparecem, a polícia em nenhum momento de sua investigação procurou pelo restante dos cadáveres? Além disso,alguns movimentos dos antagonistas soarão um tanto etéreos e a mercê do destino, entre outras questões que poderíamos levantar;

9 - Contudo, ao final, ainda que uma série de explicações acabe talvez não vindo por completo [o que me pareceu proposital] temos desfechos carregados de surpresas e que a partir de reviravoltas estabelecem um jogo de possibilidades que não se encerram com o livro e estabelecem toda uma provocação aos leitores que terão então de assumir o papel de julgadores de personagens importantes, que envoltos num binarismo entre bem e mal, deverão tentar descobrir quem serão os verdadeiros monstros?

10 - Enfim, Boneco de Pano por vezes parece tomar ares satíricos ao próprio gênero pendendo mais ao humor que às narrativas policiais mais sérias, entretanto no conjunto final, acima de suas qualidades ou fragilidades é uma obra que cumpre seus objetivos de entretenimento numa narrativa alucinada em que as escaladas de tensão irão colocar seus leitores numa jornada de muita vibraçao e adrenalina numa verdadeira corrida contra o tempo enquanto através de sua descrição um tanto crítica acaba provocando certos clichês e comportamentos sociais e profissionais, justamente para caracterização um tanto dúbia de muitas de suas personagens, mas que acima disso tudo constrói uma gigantesca selva urbana recheada de monstros e monstruosidades, tanto os que estão por ser presos quanto os que escondem-se sob o sucesso de suas carreiras.



Um comentário:

  1. MEU DEUS eu amo um thriller. Fiquei muito interessada no livro e queria tanto ver em série.

    Livros que Li

    ResponderExcluir