Header Ads

10 Livros de Ignácio de Loyola Brandão para ter na estante

Nestes tempos distópicos muito se fala de nomes como Orwell, Zamiatin, Huxley dentre outros. Mas o Brasil também tem seu autor capaz de produzir uma distopia árida e sufocante. Neste post selecionamos 10 livros de Ignácio de Loyola Brandão, confira:

1 - Não Verás País Nenhum: Se desenrola em um futuro não determinado, mas cada vez mais presente na realidade do brasileiro. Uma época terrível, na qual a Amazônia se transformou em um deserto sem nenhuma árvore; onde "O lixo forma setenta e sete colinas que ondulam, habitadas, todas. E o sol, violento demais, corrói e apodrece a carne em poucas horas"; onde a carência de água impõe a reciclagem da urina, bebida pelas pessoas. A administração do país chegou ao caos. Governantes medíocres, cada vez mais afastados do povo, interessados apenas em vantagens pessoais, uma polícia corrupta e assustadora... + Submarino

2 - Cadeira Proibidas: Publicado inicialmente em 1976, tempo em que o Brasil passava por momentos de medo e censura por causa da ditadura, o livro narra histórias que falam da realidade, do Cotidiano, do Corpo, do Clima, do Mundo, da Indagação, da Descoberta, da Ação e da Vida escondendo-a através do fantástico... + no Submarino 

3 - Zero: O retrato de corpo inteiro de uma cidade. De um parque industrial. De um caldeirão fervente de raças. De um país. De um continente. Melhor ainda: de um tempo desvairado, com os homens se transmudando em ratos e perdendo o sentido da própria existência... + no Submarino

4 - Cabeças de Segunda-feira:   O amor, o desejo, o homem e a mente humana. Em torno desses e outros temas Loyola Brandão reúne nesta obra surpreendentes histórias. Visões aparentemente surrealistas, mas ricas de múltiplos sentidos... + no Submarino

5 - Noite Inclinada: coloca nas estradas um cantor-compositor em busca do grande prêmio de um festival de música e de um filho que ele gerou para uma amiga lésbica cujo sonho era ser mãe. O personagem, angustiado, divertido, ambicioso, sacana, cruza o Brasil, revelando um país bem-humorado, maluco, cruel, fantástico e absurdo, mas real!.. + no Submarino
6 -  O Menino Que Não Teve Medo do Medo: Enfrentar cães danados que estraçalham, degolam e comem gato, cobra, coral e pato branco, não é para qualquer um. É preciso não ter medo. E isso o menino não tem. Medo ele tem é de tomar treze injeções na barriga, se levar uma mordida... + na Saraiva

7 -  Manifesto Verde: Faz um alerta sobre a preservação da natureza e apresenta as realidades e os desafios que devemos enfrentar em prol da conservação da vida na Terra. Publicado pela primeira vez em 1985, e em 1998 reescrito e ampliado... + na Saraiva

8 -  O Verde Violentou o Muro: Duas irmãs unidas pelo sangue e separadas por um muro de ressentimento, ódio e curiosidade. Loyola viveu na Berlim poderosa e iluminada e ao mesmo tempo flertou com a Berlim cinzenta e proletária. Voltou agora e reviveu ambas, hoje unidas na esquizofrenia de dois passados que se cruzaram numa festa (quando o muro caiu) e se consolaram na ressaca. E nos traz aqui, revistos, os ecos de uma Berlim que foi, os ecos de uma Berlim que era, os ecos de uma Berlim que será. Será?... + na Saraiva 

9 -  O Beijo Não Vem da Boca: O Beijo Não Vem da Boca aborda, em forma de ficção, sem a pretensão de respondê-la, uma das perguntas mais inquietantes formuladas pelo ser humano, desde o momento em que começou a indagar o porquê da vida e do destino: o significado do amor e a sua influência em nossas vidas... + na Saraiva 

10 - O Homem Que Espalhou o Deserto: Que mal pode fazer um menino que gosta de recortar folhas no quintal de sua casa? Mas e se este menino, apoiado pelo pai e pela mãe continua a cortar mais e mais? E elimina folhinhas, folhas, folhonas, arranca galhos, troncos e descobre o machado, a serra, a motosserra, os tratores? Este menino se torna jovem, adulto e vê que pode ganhar dinheiro espalhando o deserto, tornando a terra triste e sem vida. Esta é uma pequena grande história daquilo que pode vir a acontecer no Brasil... + na Saraiva 

Nenhum comentário