10 Considerações sobre As Esferas do Poder, de William C. Gordon ou porque um jornalista incomoda muita gente...

O Blog Listas Literárias leu As Esferas do Poder, De William C. Gordon publicado pela editora Record; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Com uma trama rápida As Esferas do Poder nos presenteia com um típico romance policial ambientado nos anos 60 tendo como cenário uma São Francisco e suas escalas de poder, além de uma Chinatown com seus costumes e regras próprias das quais não se pode fugir;

2 - Todavia ainda que um romance policial, embora haja um crime inicial, a obra está mais para uma seleção de crônicas que perpassam pela rotina de trabalho de um jornalista investigativo capaz de xeretar grandes crimes, Hamilton, e um policial, Bernardi, que curiosamente mesmo sendo ele o agente oficial da lei, mais se parece com um ajudante de Hamilton;

3 - Os dois então desfilam por acontecimentos aparentemente desconexos percorrendo das altas esferas da cidade, como o poder judiciário aos covis mais depreciados como o lar de cafetões e hotéis pardieiros além de uma presença constante no subúrbio de Chinatown que anda de acordo com suas próprias regras;

4 - Portanto tínhamos aqui um grande potencial, contudo sua simplicidade e mesmo superficialidade com que a trama é narrada deixa no leitor a impressão de que a obra até pode entreter mas que ainda assim falta algo;

5 - Talvez porque o livro por deliberadamente optar por navegar em águas rasas transmite ao leitor esta sensação de ausência, e que muitas vezes se clarifica ao leitor no ritmo apressado de determinados momentos, estes que de modo algum prejudicariam o romance caso o autor resolvesse desenvolver mais seus personagens;

6 - Obviamente o leitor que prese tão somente pela ação não levará muito em conta tais detalhes, pois nesse sentido há um ritmo frenético e às vezes as soluções saltam rapidamente às mãos dos investigadores, ao mesmo tempo que certos personagens vão sendo deixados de lado para que as descobertas sigam em frente;

7 - Quanto a isso podemos destacar também que além do ritmo, que mesmo superficial, quanto ao atamento da trama encontramos elementos positivos visto que ao final percebemos todas as teias que inteligam-se unindo os personagens secundários estabelecendo um jogo de relações marcadas pelo crime, pela ganância, etc...

8 - Além disso, o livro reconstitui ainda que com sutileza um período movimentado da históia americana que na obra se reflete nos próprios personagens, além de indicações que, por exemplo, mostram o recebimento dos cidadãos a notícia do assassinato de JFK além de retratar costumes e ações de tempos mais românticos, tanto para o jornalismo quanto para a polícia;

9 - Sem falar que para quem curte ambientações em Chinatown, o livro percorre tais ruas estreitas que a mim sempre soaram um tanto mágicas e misteriosas habitadas por personagens intrigantes e que acima de tudo evocam que velhos costumes permanecem, mesmo distantes de casa;

10 - Enfim, As Esferas do Poder é um bom romance que não custa conhecer para seu entretenimento, e mesmo que sejam seus personagens pouco complexos o são para cumprir ao que se destina a narrativa, proporcionando-nos uma leitura rápida mas cujos personagens conseguem suas identidades próprias construindo uma trama que ao final se amarra de forma condizente e nos espelha uma série de crônicas policiais em que "as esferas do pode" é que acabam no banco dos réus.



10 Considerações sobre As Esferas do Poder, de William C. Gordon ou porque um jornalista incomoda muita gente... 10 Considerações sobre As Esferas do Poder, de William C. Gordon ou porque um jornalista incomoda muita gente... Reviewed by Douglas Eralldo on sábado, outubro 29, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário