10 Considerações sobre A Profecia do Paladino, de Mark Frost ou por que correr, Will

O Blog Listas Literárias leu A Profecia do Paladino, de Mark Frost publicado pela Galera Record; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro:

1 - A Profecia do Paladino é um livro repleto de ação e movimento capaz de entregar a seu leitor aquilo que promete: entretenimento de grande impacto visual cuja ação se desenvolve do princípio ao fim numa história divertida e bem contada;

2 -  Na obra, que não deixa de nos remeter de certa forma a Harry Potter, Will que sempre tivera uma vida fora dos radares, depois do sucesso inesperado numa prova vai parar numa escola de pretensos gênios e futuros líderes mundiais, enquanto sua vida esta envolta por mistérios que desencadeiam a ação constante da narrativa;

3 - Essa ação nasce então de uma mescla nem sempre provável, mas que na obra funciona de forma bastante equilibrada, reunindo numa mesma proposta velhas mitologias e lendas com questões científicas, unindo dois campos que geram interesse e também fascínio nas pessoas, especialmente jovens leitores;

4 - Então, nessa trama com essa mescla que ou pode tudo dar certo ou tudo pode dar errado, a questão funciona bem, nos proporcionando cenas fantásticas cheias de criaturas horripilantes, dimensões paralelas e a temática binária dos clássicos de aventura numa luta travada entre o bem e o grande e ameaçador mal, que nesse caso quer retomar um habitat que foi seu;

5 - Entretanto, um dos problemas que pode prejudicar o livro é justamente a fragilidade de seus personagens; não uma fragilidade física, mas sim de constituição literária, especialmente porque num centro de excelência, praticamente não vemos distinção entre os estudantes da obra e outros estudantes, digamos, "normais". Isso acaba tornando um pouco incongruente;

6 - Contudo, esse é um detalhe que será observado por leitores mais críticos, já que essa constituição frágil se mascara um pouco pela ação constante, que tende a atrair a atenção dos olhares curiosos pelos passos seguintes, pois tudo acontece numa escalada vertiginosa de tensão;

7 - De qualquer forma, é visível que a obra é uma típica construção preparada para vir ser adaptada um dia, pois seus personagens, ainda que frágeis num contexto mais amplo, possuem características que os tornam interessantes sob o aspecto de identificação por parte dos leitores, sendo bastante marcados e únicos;

8 - Além disso, a obra se passa no atrativo universo dos heróis, mesmo quando ainda estão por descobrir que o são, como no caso de Will, um garoto que assim como se fazia com Forrest Gump todo mundo manda-o correr. Corra, Will, corra, numa corrida permeada por carros tunados, Criaturas pegajosas do Nunca-Foi, anjos, hierarquias, demônios, e claro, sociedades secretas;

9 - Mas, antes de fechar e que eu me esqueça, cabe destacar ainda, que no meio da narrativa alguns conceitos abordados, mas não totalmente elucidados ou debatidos são um pouco questionáveis, como quando se estabelece falas meritocráticas e não as opõe. No caso do livro, falar de meritocraria a jovens superdotados (literalmente) reflete um pouco da deturpação que geralmente este termo representa;

10 - Enfim, A Profecia do Paladino é uma leitura divertida, muita ação, aventura e criaturas fantásticas que auxiliam a cumprir seu papel de entretenimento, e ressalvando-se alguns poréns, é uma boa companhia para quem quer curtir perseguições alucinantes, covis secretos, e monstros em guerra com humanos com dons especiais.



10 Considerações sobre A Profecia do Paladino, de Mark Frost ou por que correr, Will 10 Considerações sobre A Profecia do Paladino, de Mark Frost ou por que correr, Will Reviewed by Douglas Eralldo on segunda-feira, abril 18, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário