10 Considerações sobre Um Corpo na Neve, ou porque é na Rússia que o fim do mundo começa.

O Blog Listas Literárias leu Um Corpo na Neve, de A. D. Miller, publicado pela editora Record; Nesta lista as 10 considerações do blog sobre o livro:

1 - Um Corpo na Neve, de A. D. Miller embora "vestido" de literatura policial é na verdade um romance de caráter confessional no qual o advogado Nicholas Platt mergulha em reminiscências que apresentam ao leitor e a quem ele destina sua "confissão" as duas versões de um mesmo homem;

2 - Para tanto, no romance o autor usa a Rússia com painel que dá as cores de fundo as ações do homem Nicholas, que observa de forma atenta a este país de costumes aparentemente bárbaros onde o dinheiro e o poder corroem as relações e reforça a imagem mítica das coisas estranhas e impossíveis que podem acontecer só mesmo na Rússia;

3 - Assim, por meio de uma confissão, que ao seu final revela toda a frustração do personagem (frustração aliás que pode ser percebida ao longo da narrativa) o leitor poderá submergir um pouco neste mundo gelado, com pitadas de suspense, mistério, luxúria, e principalmente tramas ardilosas que buscam sempre ainda tirar alguma vantagem;

4 - Obviamente, já que falamos de Rússia, cabe destacar que o olhar de Nicholas é o típico olhar estrangeiro sobre o que talvez não compreenda com exatidão, o que torna suas reminiscências pouco confiáveis no que diz respeito quanto a sua imagem construída;

5 - Mas acima de qualquer outra questão que possa permear o livro, Um Corpo na Neve é na verdade a demonstração de um verdadeiro jogo entre o indivíduo e o ambiente que este está, e principalmente trazendo questões sobre a capacidade da influência de um sobre o outro;

6 - De toda forma o próprio Nicholas dará ao leitor durante sua narrativa sua própria teoria em relação a isto;

7 - Cabe ressaltar que o caráter confessional do livro e o intenso resgate de memórias do narrador, inclusive permitindo-se divagações ao longo da sua história, fazem da trama uma leitura cadenciada, pautada muito mais pela reflexão do que pela ação;

8 - O livro é também uma busca de identidade, algo muito comum aos homens que constantemente precisam se autoavaliar, ponderar suas decisões, e especialmente buscam saber quem realmente são;

9 - E este é o caso de Nicholas Platt que ao relembrar seus anos vividos na Rússia tenta reconstruir a si mesmo e avaliar os caminhos de sua vida, num texto saudoso e carregado de frustrações no qual o narrador dialogando com uma grande parcela de leitores que poderão identificar-se com sua narrativa um tanto depressiva terão a frente uma velha questão humana que é o contrataste "daquilo que nos tornamos com aquilo que poderíamos ter sido".

10 - Enfim, Um Corpo na Neve é um romance que aborda questões profundamente humanas num cenário ainda recheado de interesse mítico sobre suas especificidades, um Rússia gelada mas que tudo parece ser possível, um lugar como o próprio Nicholas nos confessa, seria o país número um para se iniciar o apocalipse. Ou seja, é um livro para que busca trama de conteúdo, mas com os bônus de muitos elementos da narrativa policial; 



10 Considerações sobre Um Corpo na Neve, ou porque é na Rússia que o fim do mundo começa. 10 Considerações sobre Um Corpo na Neve, ou porque é na Rússia que o fim do mundo começa. Reviewed by Douglas Eralldo on sexta-feira, agosto 15, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário