Header Ads

10 Considerações sobre Mundos apocalípticos, organizado por John Joseph Adams ou história sobre o fim dos tempos

O Blog Listas Literárias leu Mundos apocalípticos - Histórias do fim do tempo, organizado por John Joseph Adams publicado pela editora Planeta/Minotauro. Neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre os livros, confira:

1 - Organizado por John Joseph Adams, experiente organizador de antologias, Mundos apocalípticos reúne vinte e dois contos escritos por grandes autores no gênero, de Octávia Butler a George R. R. Martin, de Stephen King a Gene Wolfe, sendo que todos eles já publicados anteriormente e a maioria deles finalistas ou participantes das mais influentes premiações da ficção científica de modo que cumprem a promessa do organizador de histórias "sobre diferentes cenários apocalípticos. Alguns são artificiais e improváveis, outros são plausíveis e fáceis demais de imaginar. Algumas histórias flertam com o fantástico. Muitas se aventuram pelo território do horror. Todos exploraram uma pergunta: como seria a vida após o fim do mundo com conhecemos?";

2 - E de fato, ainda que não se perca a questão unificadora, a diversidade e pluralidade dos contos poderá ser verificada pelos leitores, bem como os estilos e as próprias formas de apocalipse, tema que Adams debaterá em uma breve introdução resgatando não apenas o princípio destes subgênero, mas também levantando breves insinuações dos momentos d proliferação de tal literatura como reflexo das turbulências sociais, que não raro nos levam a temer o fim da civilização da forma como a conhecemos. No caso dos contos integrantes, ora vão mais ao futuro, ora esse futuro está mais próximo do que gostaríamos. Além disso, mostra-nos que em matéria de destruição global, dispomos de muitas e muitas ferramentas;

3 - Além disso, vale destacar que nesta diversidade alguns contos o fim do mundo está acontecendo, caso do conto que abre o volume, "O fim da confusão toda", de Stephen King e que reforça a capacidade de construção política no autor, pois nesse conto teremos em xeque não apenas o poder dos idealismos, mas como isso pode transformar-se em ações totalitárias e tiranias capazes de nos levar ao pior dos cenários. É um conto cheio de camadas e cuja estética acaba atravessada pela psicologia e cognição alterada de seu narrador. Já em outros contos, a maioria é bem verdade, o estrago está feito, e as narrativas acabam trazendo os diferentes comportamentos humanos quanto a civilização retorna retorna às suas bases mais primitivas. Dito isso, neste textos procuramos destacar dentre os contos, os que nos atraíram mais a atenção, até porque o conto em si, geralmente pede olhar específico sobre cada produção;

4 - Nesse sentido, em termos de imaginário apocalíptico talvez o mais visual e sedutor dos contos seja "O circo voador da Ginny Bumbum Firme", de Neal Barrett Jr. O conto é uma espécie de Mad Max mas com pitadas do cyberpunk de um Dick ou Gibson. Mas curiosamente um cyberpunk em cenário steampunk. Como nas melhores narrativas deste tipo, o retorno à violência, extrema, por sinal, e a sensualidade de corpos, nos entrega um conto interessante, mas que acima de tudo, nos marca pela força de seus personagens, carregados de tons picarescos essenciais à sobrevivência numa terra degradada e hostil;

5 - Já "Sons da Fala", de Octávia Butler é exitoso em sua capacidade de transpor sua opressão ao leitor que é imerso num cenário hostil e "silencioso". Aqui toda a tempestividade da sobrevivência, das mudanças abruptas e inesperadas, bem como a desconfiança e o medo no outro que demonstram todo o aprisionamento de seu cenário apocalíptico em que não se pode agarrar a nada e tampouco confiar em nada. Das narrativas, uma das mais tensas psicologicamente e de potencial perturbador;

6 - Claustrofóbico e com flertes com a fantasia "Escuros, muitos escuros eram os túneis" é mais um exemplo do exímio poder de George R. R. Martin em escrever cenas incríveis. Esse conto é uma grande cena, e uma cena que nos transporta a referência primeva do gênero, uma leitura mais tensa e visual dos Morlocks de Wells, também muito mais sombria e com o talento de penetrar em todos os poros do leitor;

7 - Como no exemplo do conto de Martin ou em outros como o próprio Adams aborda, há contos que flertam com os limites do gênero, mas que se entretanto tivéssemos de escolher o que mais represente os embates da ficção científica, talvez a escolha pudesse ser "Depois do juízo final", de Jerry Olton. Adam Roberts, pesquisador do gênero, defende como gênese da ficção científica a dialética e o embate entre razão iluminista e espiritualidade teísta. Esse conto trata-se justamente disso, astronautas que retornam à terra supostamente após o juízo final e o retorno de Jesus. Contudo, a busca do grupo e os encontros não realizados parecem indicar a qual das pontas do embate filia-se o autor;

8 - A paranoia perpetrada pelo terrorismo também acaba mostrando-se como elemento de influência nos autores, especialmente em "Quando os sysadmins dominaram a terra", de Cory Doctorow, tendo o avanço digital com temática e principalmente "Pão e bombas", de Mary Rickert, fortemente conduzido pela experiência traumática do Onze de Setembro num conto sobre intolerância e medo que enraízam comportamentos xenofóbicos;

9 - Algo que as narrativas visuais e textuais abordam, discutem e refletem é a natureza humana do interesse, do tirar proveito nas diferentes circunstâncias. Em mundos de bases frágeis, tais comportamentos, então, se aprofundam, caso de "A última forma-O", de James Van Pelt que ao mesmo tempo que leva-nos a um futuro sombrio remete-se aos comerciantes de bizarrices do século XIX, num conto que lembra os cenários de um Tim Burton;

10 - Enfim, Mundos apocalípticos não à toa reúne grandes nomes da ficção científica. Em grande parte os contos reunidos são de grande força literária, e no geral, mais do que tratar de cenários assustadores que podem ser os variados finais dos tempos, o conjunto alerta para o embrutecimento em tempos difíceis, o que por si só levanta uma boa dose de discussões. Além disso, não nos falta criatividade e potentes personagens, alguns, retratados em narrativas mais amplas dos autores. Em sua, ótima antologia para aficionados elo gênero e suas subdivisões.


      

Nenhum comentário