Header Ads

10 Considerações sobre Infiltrado na Klan, de Ron Stallworth ou sobre como mostrar que idiotas serão sempre idiotas

O Blog Listas Literárias leu Infiltrado na Klan, de Ron Stallworth publicado pela editora Seoman; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Em tom descontraído, até simples, Infiltrado na Klan são os relatos pessoais e verídicos do policial Ron Stallworth, primeiro negro do Departamento de Polícia de Colorado Springs (o autor frisa bastante esta marca), sobre uma peculiar investigação realizada por ele no calor dos finais dos anos 70, e quando as discussões raciais e dos direitos civis estava bastante quentes na sociedade norte-americana;

2 - A investigação, no caso, foi a infiltração do policial negro em um grupo local da Kux Kux Klan, grupo terrorista de supremacistas brancos cuja atuação tem um histórico de medo e conflitos nos Estados Unidos. A investigação liderada por Stallworth e com outros policiais em campo conseguiu adentrar um grupo local da KKK e ainda acompanhar desdobramentos regionais e aproximação de importantes líderes da KKK. À época a investigação atraiu atenção de diferentes órgãos de inteligência pelo fato de Stallworth, um negro, infiltrar-se na Klan, tendo inclusive sua carteira de membro;

3 - Aliás, a publicação além dos relatos do policial, traz junto imagens que corroboram e documentam os relatos do livro, inclusive a famosa carteirinha. Neste tipo de publicação, estes anexos sempre enriquecem a publicação;

4 - Voltando ao livro, a obra desenvolve-se basicamente como relato, e um relato, a despeito do tema, sem ser pesado, sendo a bem da verdade quase uma expressão oral, uma rememoração dos fatos, e isso realizado de forma bastante pragmática, sem em nenhum momento pender ao literário, como às vezes acontece nessas publicações;

5 - Isso quer dizer que os fatos narrados se dão de forma linear cronologicamente, numa linguagem sem grandes formalismos e bastante parentética, como abrindo pequenos fluxos de corte do pensamento e de modo a encadear avisos e notas, sendo que os capítulos procuram descrever nesta forma pragmática os principais momentos da experiência do policial Stallworth no caso e ainda os encontros dele com os passos da história, devido ao seu trabalho;

6 - Vale dizer ainda que para o bem e para o mal, a publicação não assume um tom militante. Em parte presumo que pela própria biografia do autor que ao decidir entrar para o DPCS acaba atraindo para si a rejeição tanto dos brancos e também dos negros, neste segundo caso, especialmente pelo fato de possuírem forte resistência à polícia, por causa da repressão e da turbulência política da época;

7 - A bem da verdade, Ron Stallworth acaba agindo de acordo com suas próprias convicções, e ainda que valorize os movimentos pelos direitos civis, opta por um caminho diferente, conseguindo de certa forma em seu dia a dia agir com bastante criticidade;

8 - Desse modo, o leitor verá no livro suas posições, muitas vezes de escárnio e deboche sobre os supremacistas que investiga e consequentemente a toda idiotice vinda desta parte, algo que se comprova pela própria investigação do autor. Stallworth consegue desnudar a imbecilidade de seus algozes pelo argumento e pela comprovação prática;

9 - Do mesmo modo, o autor não deixa de apresentar reservas e críticas a muitos contramovimentos à Klan, tratando cetras incongruências e apontando-as, ao mesmo tempo que não deixa de revelar como fora tratado pela própria comunidade negra. Todavia, há em ambos os comportamentos já impregnada a visão corporativa de um policial que pela experiência já descobriu que o mundo não é de oito ou oitentas;

10 - Enfim, não tenho dúvida que a abordagem e a própria visão sobre os acontecimentos, pelo policial Ron Stallworth possam provocar discussões acaloradas por diferentes partes, contudo, a obra em si foge dos fogos da paixão e nos apresenta os fatos como registro histórico, enquanto o autor acaba mostrando-se um equilibrado numa abordagem que aborda tudo com muita naturalidade e enfrentando o problema de modo bastante prático. Uma abordagem interessante acerca do enfrentamento ao ódio.



  

Nenhum comentário