Header Ads

10 Considerações sobre Clash – Quando Corações se partem ou continue a dançar

O Blog Listas Literárias leu Clash, de Nicolle Williams publicado pela editora Essência; neste post as 10 considerações da Gi sobre o livro, confira:

1 – Com muito romance, repleto de brigas e paixão intensa, Clash é a sequência da trilogia nascida com Crash, em que se desvendam e apresentam os protagonistas Jude e Lucy, que agora nessa nova trama terão de lidar com os desafios do relacionamento existente;

2 – Em Clash o casal está distanciado em virtude de estudarem em diferente universidades, enquanto Lucy continua seu sonho de dançar e Jude é o astro do time de futebol, atraindo, claro, a atenção e despertando o desejo de um grande número de mulheres;

3 – Dentre os desafios do jovem casal está justamente o ter de lidar com suas passionalidades, pois ambos cheios de emoção e vivem um romance que é uma verdadeira montanha russa, marcada especialmente pelo ciúme dos dois, e o fato de Jude ser o típico garoto estourado que por qualquer motivo parte para a briga;

4 – Assim, o romance narrado por Lucy traz este vai e volta arcado por reconciliações, mas que acima de tudo irá aos poucos revelando a necessidade (e a possibilidade) do amadurecimento do relacionamento dos dois, tudo isso numa linguagem simples e envolvente;

5 – Do mesmo modo, a sequência permite acompanharmos as relações paralelas dos protagonistas, como os dilemas familiares que em grande parte marcaram o primeiro livro. Nesse sentido, veremos avanços na relação familiar de Lucy, bem como observar como aos poucos Jude ganha espaço e confiança neste círculo;

6 – Além disso, percebemos neste livro que Lucy está mais feliz, superando de certa forma sua frieza, marca nascida com seus traumas pessoais. Do mesmo modo, ainda que seu romance permaneça confuso, ela mantém o foco em seus sonhos, como a dança, além de manter-se carinhosa e decidida, mesmo que assolada por vezes de crises de ciúme;

7 – Já Jude não apresenta grandes mudanças do primeiro para o segundo livro, encarnando ainda o perfil de bad boy, especialmente quando acossado por crises de ciúmes, sentimento que muitas vezes amplia o medo de perder Lucy. A despeito disso tudo, continua um bom e fiel apaixonado, cada vez mais distante do solteirão mulherengo que era;

8 – Nesse clima leve e apaixonado, os personagens secundários surgem então para completar a narrativa, bem como as características dos personagens, além, é claro, de reservar espaço ao antagonismo, nesse caso representado por Adriana que cumpre o tradicional papel de quem quer separar o casal;

9 – Assim, a narrativa assegura nossa paixão pelos personagens ao acompanharmos suas jornadas sentimentais entre o choro e o riso, e cuja doçura e leveza da trama constitui-se numa história possível a cada uma de nós;

10 – Enfim, Clash é uma leitura que te cativa e te prende na leitura, uma leitura voraz e rápida que depois de iniciada, só paramos ao fim desta obra, com a convicção de uma maravilhosa diversão enquanto juntas de Jude e Lucy.




Nenhum comentário