Header Ads

10 Considerações sobre Doce Lar, de Tillie Cole ou mais uma sobre amores complicados

O Blog Listas Literárias leu Doce Lar, de Tillie Cole, publicado pela editora essência; neste post as 10 considerações da Gi sobre o livro, confira:

1 - Doce lar é um romance marcado por dramas e perseguições que conta a história de Molly Shakespeare e Romeu Prince, que como sugerem os nomes trará referências à William Shakespeare, e, claro, uma narrativa marcada por dramas familiares;

2 - A obra, uma narrativa em primeira pessoa pela protagonista Molly, dá conta de todas suas tragédias pessoais e familiares, especialmente a perda dos pais em distintos e importantes momentos de sua vida, bem como sua vivência com famílias temporárias, e sua vida universitária que leva para Tuscaloosa, onde então terá pela frente novas e não menos problemáticas situações quando conhece Romeu;

3 - Quarterback e logicamente o cara mais popular da universidade, uma personagem tipica nestes romances, mas com suas particularidades, durão, de poucos amigos, e que resiste à pressão familiar para assumir as empresas desta, e a forçação de um romance com a mimada Shelly, o que de certa forma, por ser visto sempre como uma peça nos jogos de interesse da família, ao invés de ser amado, encontrará em Molly uma possibilidade para o amor;

4 - Com esse jogo de interesses estabelecidos, pois sendo um possível casamento com Shelly uma grande oportunidade de negócio, a obra traz para os dias de hoje a impossibilidade da tradição shakespeariana, tendo como pano de fundo magnatas do petróleo e a alta sociedade e seus jogos de interesses que sobrecarregarão ainda mais as almas feridas que protagonizam o romance;

5 - Aliás, vale dizer que neste livro os papéis estão bastante demarcados pelo par de heróis românticos e a vilania a antagonizar com Molly e Romeu arquitetando a tríade permanente das tramas de amor;

6 - Nesse caso, Molly assume o papel da heroína sofrida, mas que ainda assim, com todos os seus percalços na vida, suas tragédias de grande impacto, ao vinte anos já está cursando seu mestrado e construindo seu futuro. Isso já demonstra um bocado de sua força e resistência que é somada por sua capacidade de fazer amizades e cativar não só as personagens, mas também as leitoras;

7 - Sobre Romeu, a despeito do que já falamos, também assume bem o papel do herói romântico que precisa lutar e resistir às convenções de seu grupo social, ao mesmo passo que habita esse universo cheio de cobranças e insinuações de forma até determinada e com a construção de um perfil que acaba contrastando um pouco com algo que pesa para outro lado, o fato de ser sozinho;

8 - E Shelly, claro, a vilã típica, capaz de aprontar poucas e boas, especialmente com Molly. Shelly é mimada e totalmente insuportável, o que para efeitos da narrativa cumprirá seu papel porque suas maldades e planos para separar o casal protagonista não deixarão as leitoras impassíveis, despertando nossos piores sentimentos em relação à personagem;

9 - Em suma, o romance por meio de uma história contemporânea trata de temas ha muito discutidos e rediscutidos pelos livros, do amor às ambições que desde Shakespeare volta e meia são trazidas para a ficção através de intrincados relacionamentos;

10 - Enfim, Doce Lar é ótima diversão, que desperta em nós diferentes sentimentos. do choro ao riso, da alegria a tristeza, pois a trama nos oferece uma gangorra emocional envolvente e que ao final nos cativa por suas personagens e nos levam a observar seus paralelos com a própria realidade.


     

Nenhum comentário