Header Ads

10 Terríveis tiranos da literatura

Em tempos de cantos das sereias ou gritos de mitos a literatura sempre pode nos ajudar desnudando nossas tiranias e vilezas com personagens que vocês poderão identificar muito político falastrão por aí; nesta lista selecionamos 10 temíveis tiranos da literatura, muitos deles fantasiados de salvadores ou cheios de boas intenções, aquelas mesmas que enchem o inferno. Confira:

1 - Grande Irmão: Por sua descrição física muita gente foca só na crítica ao stalinismo, todavia, 1984 é um alerta a toda e qualquer forma de totalitarismo, e seu antagonista é o temível e supremo Grande Irmão, o Big Brother que está a todo instante de olho em você e que mantém o poder com controle, violência e opressão infinita;

2 - Buzz Windrip: Uns três anos atrás quando manifestava entre amigos minhas preocupações com aquele que não quero dizer o nome, ouvia muito coisas dos tipo, "esse tipo de gente não se cria", "aqui não acontece isso". Não é que encontrei esse ótimo Não Vai Acontecer Aqui, uma obra de 1935 em que mostra como a democracia americana pode ser tomada por um ditador, no caso, esse Windrip que chega ao poder e instaura um grande caos nos Estados Unidos a partir de uma onda populista e de propaganda eficiente;

3 - Benfeitor: Uma das primeiras distopias clássicas, publicada antes mesmo dos regimes totalitários da década de 20 e 30, o Benfeitor controla ditatorialmente o Estado Único e rechaça com força e tecnologia de manipulação mental qualquer possível rebelião;

4 - Coriolanus Snow: Incluamos aqui um tirano recente, o ditador presidente de Panem que reúne elementos ao longo da história como o pão e circo dos gladiadores romanos e a sociedade do espetáculo com seus reality shows para construir seus Jogos Vorazes;

5 - O Demagogo: Hei jovens, muita calma nessa hora; ser revolucionário é de boas, mas o reacionarismo além de fogo de palha, não passa de vergonha alheia. Tipo assim, Star Wars, república ruim, mas saca que ter colocado Palpatine no lugar é bem pior. É mais ou menos isso que trata um conto de Georg Kaiser, "Depois de uma guerra perdida" propondo a reflexão sobre a troca de uma tirania por outra;

6 - Greg Stillson:  É galerinha, até mesmo nosso mestre do horror Stephen King não fica alheio à sociedade e transforma suas preocupações em grandes obras como A Zona Morta, um de seus escritos mais políticos. Nele, embora Stillson não chegue de fato a por em prática sua tirania (mas que nos possibilita acompanhar seu populismo), Johnny Smith tem um vislumbre do futuro tenebroso do mundo quando o cara chega ao poder, e "plim", fica no dilema entre matar ou não o tirano;

7 - Mohammed Ben-Abbes: No polêmico Submissão, de Michel Houellebecq, é  tirano fundamentalista muçulmano que toma a França em 2022 vencendo as eleições;

8 - Philip Blake: Tirano que fez sucesso na série, nos quadrinhos e nas novelizações de The Walking Dead, inclusive ganhando destaque com A Ascensão do Governador, violento, insano e cruel tornou-se um dos vilões mais icônicos da franquia;

9 - Napoleão:  Numa fábula para lá de romance realista, o porco Napoleão é mais um dos tiranos construídos por George Orwell em sua jornada contra os pensamentos autoritários e totalitários, sendo um dos personagens mais icônicos quando trata-se de tirania;

10 - Mustafá Mond: Mas a tirania nem sempre exige um líder violento e brutal, às vezes pode ser o RH do Google ou então um burocrata como este administrador do Estado Mundial de Admirável Mundo Novo cuja tirania esvaece no desejo de seus súditos em serem escravos.

Nenhum comentário