10 Grandes serpentes da literatura

Selecionamos hoje 10 peçonhentas criaturas literárias através das grandes e marcantes serpentes e cobras presentes nos livros, confira:

1 - A Serpente: A lista não poderia começar sem ela, a serpente do pecado original que teria tentado Adão e Eva causando a expulsão dos dois do paraíso, colocando desde então as serpentes numa posição de vilania;

2 - A Grande Serpente: Na série A Roda do Tempo a serpente vem como simbolo, algo resgatado da mitologia através da imagem da grande serpente enrodilhada comendo o próprio rabo retratando a eternidade do tempo;

3 -  Boitatá: A serpente de fogo é uma das criaturas mais fascinantes do folclore brasileiro e está presente em diversos registros literários como na obra de João Simões Lopes Neto ou na recente A Bandeira da Arara e do Elefante, de Christopher Katensmidt;

4 - A Faixa Malhada: Num dos contos mais famosos de Sherlock Holmes a cobra domesticada e treinada é um dos grandes desafios para a dedução do famoso detetive, que mais uma vez consegue descobrir o impensável;

5 - Nagini: A gigantesca Horcrux era a serpente de estimação do vilão da saga Harry Potter, Lord Voldemort, e uma das mais perigosas criaturas da saga, retratando aqui mais uma vez a vilania das serpentes;

6 - Cobra Norato: Dentro de uma serpente amazônica a busca pela filha da rainha Luzia é retratada no poema modernista de Raul Bopp rico em imagens brasileiras das lendas do norte.

7 - Serpente Marinha: Durante a viagem do Peregrino da Alvora pelos mares de Nárnia certamente um dos momentos de maior perigo foi o ataque do gigantesco animal marinho à embarcação capitaneada por Príncipe Caspian;

8 - Kaa: A grande e poderosa serpente de O Livro da Selva é uma das mentoras de Mogli e seus companheiros no clássico da literatura infantil num modo poucas vezes vistos ao se retratar serpentes;

9 - Os cabelos de Medusa: Impossível falar de serpentes, mitos e literatura e não recordar o peçonhento "hairstyle" de Medusa, um perigo para os a veem;

10 - A Serpente Encantada: No conto italiano a serpente surge como solução a falta de filhos, além de através de sua magia ser capaz de transformar em ouro todos os frutos do pomar, uma espécie de Midas ofídio;

4 Comentários

  1. Jardel Miro Dantas de Souza7 de janeiro de 2021 19:11

    Jardel Miro Dantas de Souza

    ResponderExcluir
  2. Jardel Miro Dantas de Souza

    ResponderExcluir
  3. Jardel Miro Dantas de Souza7 de janeiro de 2021 19:21

    Jardel Miro Dantas de Souza

    ResponderExcluir
  4. Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza
    Jardel Miro Dantas de Souza

    ResponderExcluir
Postagem Anterior Próxima Postagem