10 Considerações sobre O Pintor de Memórias, de Gwendolyn Womack ou po rque é fundamental lembrar-se de tudo

O Blog Listas Literárias leu O Pintor de Memórias, de Gwendolyn Womack publicado pela editora Record; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - O Pintor de Memórias mescla ação e fantasia tudo isso permeado com um bocado de ficção científica numa obra que entretêm pelo movimento, mas que no conjunto poderíamos discutir uma série de questões que a fragilizam, não deixando de ser, porém, uma obra bem escrita, com um enredo que chega a prometer e uma execução que não fica abaixo da média mas tampouco consegue nos convencer totalmente;

2 - Na verdade esta é um publicação cuja roupagem pode te levar a crer num trabalho diferente do que é, por exemplo, é um romance ancorado fortemente no fantástico e como atadura de seus nós a ficção científica. No romance dois protagonistas que depois de uma experiência médica começam a recordar de suas vidas passadas revivendo um duelo de milhares e milhares de anos que inicia-se 10.000 a.C no Egito antigo;

3 - Bryan e Linz precisam compreender justamente o início desta jornada pelos séculos cujas lembranças reconstituem suas vidas passadas a partir de um experimento médico novo que os faz lembrar parcialmente até que num ritmo de thriller tudo vai se explicando e se revelando com o ápice na lembrança final do grande conflito que levou-os aquela situação;

4 - E aí começam alguns poréns, ao menos para este leitor. Sempre tenho um pé atrás com obras que mesclam o fantástico e a ficção científica que é o caso do romance. Ainda que ao final da leitura do livro isso até faça certo sentido ao explicar como a ciência nesse caso interfere no plano espiritual, é porém um "casamento" estranho porque fica difícil crer ou na ciência ou no espírito de tal modo que fantástico e ficção científica se anulam numa série de incongruências e fragilidade de argumento. No fundo, creio que o grande problema que essa tentativa de fusão afeta um bocado a verossimilhança interna da obra com ações e movimentos que se tornam pouco críveis ao leitor que não consegue tomá-lo por "fantástico" mas que da mesma forma não o vê como uma ficção científica plausível;

5 - Além disso, via de regra as crenças que abordam a possibilidade da reencarnação trabalham-na como um processo de aprendizagem e evolução do espírito e assim fazendo que tenhamos uma grande mobilidade de posições sociais e de conduta em nossas "novas vidas" o que fica longe dos personagens da obra que a cada vivência se dá praticamente nas mesmas posições hierárquicas que ocupavam no princípio, algo pouco usual neste tipo de abordagem;

6 - Mas no geral o romance tem seus atrativos e suas questões interessantes, especialmente para leitores que privilegiem a ação e o entretenimento pois a obra além do ritmo eletrizante dos thrillers e suas reviravoltas é capaz de criar cenas com muito movimento além de conseguir manter determinada tensão do princípio ao fim da obra, e ao final surpreendendo deixando (ou exigindo) a possibilidade de uma continuação seriada;

7 -  O livro ainda pode gerar interesse em curiosos por questões histórias pois muitas personalidades de cunho histórico saltarão das lembranças de Linz e Bryan, e mesmo que seja de uma forma mais superficial haverá uma abordagem que perpassara pelo Egito, e pelo Japão até mesmo para lendas nórdicas;

8 - Aliás, falando em personagens, importante dizer que das incongruências sentidas durante a leitura os protagonistas são responsáveis por parte delas pois há muita contradição em suas composições visto que às vezes é difícil reconhecê-los com deveriam hipoteticamente ser, como, por exemplo, de ainda que fosse uma cientista de alta graduação, nas ações e na própria voz de Linz não reconhecemos de tal forma;

9 - Portanto, o resultado da leitura do romance dependerá muito das expectativas e da própria exigência do leitor porque o livro ainda que conte uma história com certa eficiência traz nela uma série de ruídos que chama a atenção mais do que deveriam colocando o romance numa posição intermediária. Contudo dependo da escolha do leitor, ele poderá encontrar elementos de interesse, especialmente se tentar apartar fantástico e ficção científica numa abordagem por partes;

10 - Enfim, O Pintor de Memórias talvez encontre dificuldades em nos convencer, há no meu ver alguns problemas de verossimilhança interna e personagens que devido ao privilegio da ação muitas vezes soam incongruentes e rasos desperdiçando de certa forma o argumento que poderia render mais, todavia tais questões críticas se deixadas em suspenso permitirá uma leitura descompromissada ideal para a leitura para simples diversão, mesmo que seja para observar inconsistências históricas ou as relacionadas com a hibridização da fantasia com a ciência.



10 Considerações sobre O Pintor de Memórias, de Gwendolyn Womack ou po rque é fundamental lembrar-se de tudo 10 Considerações sobre O Pintor de Memórias, de Gwendolyn Womack ou po rque é fundamental lembrar-se de tudo Reviewed by Douglas Eralldo on quinta-feira, julho 28, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário