10 Considerações sobre O Voo da Libélula, de Michel Michel Bussi ou porque voar é eletrizante

O Blog Listas Literárias leu O Voo da Libélula, de Michel Bussi publicado pela editora Arqueiro. Neste post as 10 considerações sobre o livro:

1 - O Voo da Libélula é um thriller eletrizante e uma verdadeira homenagem ao romance policial com uma trama incrível que brinca com o gênero e amarrada de tal forma que sem modéstia alguma a coloca entre as grandes e boas narrativas do gênero;

2 - Desde sua proposta, o livro dá demonstração de esmero em sua elaboração. Uma queda de avião, duas crianças de mesma idade e uma única sobrevivente. Isso dá o pontapé para uma das mais longas e intrigadas investigações da literatura que levará dezoito anos para seu desfecho numa linha de tempo muito curta que torna tudo muito urgente e alucinante.

3 - E é pela técnica narrativa que Michel Bussi amarra o leitor. Com uma narrativa fragmentada que divide-se numa voz em terceira pessoa, onisciente e intrusa que desliza por várias personagens e fragmentos do diário do detetive Crédule Grand-Duc que vai distribuindo as pistas sobre o caso de uma forma bastante sádica com o leitor;

4 - E a razão de tudo isto é Lylie, a "Libélula" que milagrosamente sobreviveu à queda do voo 5403 e a partir disso vive uma vida inteira nas sombras de uma falta de identidade já que é a disputa para saber qual criança sobreviveu no acidente aéreo que inicia a saga de disputa entre as famílias, Carville e Vitral, uma guerra entre ricos e pobres;

5 - E um dos pontos interessantes da obra é que de certa forma ela possui elementos de um movimento literário antigo, no caso o naturalismo, especialmente pela visão de Grand-Duc, um homem ainda em dúvida e impressionado por questões como o determinismo social e principalmente questionador quanto à natureza humana;













6 - O livro ainda aborda o impacto de experiências trágicas sobre as pessoas, mostrando como cada uma pode reagir de forma diferente a tal exposição, mas aqui sem jamais fugir do que realmente são. Por isso são as personagens da obra de grande densidade e por momentos, inclusive, participam deste jogo de ludibriar e prender o leitor;

7 - Mas, embora uma investigação longa, dezoito anos, é a urgência que da o ritmo eletrizante da narrativa. A ação concentra-se em um período de poucos dias, e principalmente no dia 2 de outubro de 1998 quando ocorre a maior parte da ação. Na verdade, com grande habilidade técnica, o autor brinca com o espaço e com o tempo durante todo o livro, a começar pelos capítulos, datados e registrando a hora e os minutos da ação;

8 - Aliás, Michel Bussi reforça a impressão que tenho dos autores franceses contemporâneos e de seus gostos por brincar e usar todos os recursos técnicos de uma narrativa, jogando com as vozes e com o texto de tal modo que o leitor de fato prende-se a uma teia impossível de abandonar;

9 - Assim, o livro possui todos os principais elementos do gênero com reviravoltas e revelações surpreendentes e até mesmo quando surgem clichês clássicos como a cena do tiro que acerta quem não esperava ser alvejado tudo é feito com muita qualidade e competência;

10 - Enfim, O Voo da Libélula é uma excelente leitura e indispensável para os fãs da literatura policial e com um desfecho que foge do trivial se constitui como uma das grandes obras do gênero. Imperdível, é de se devorar, mas com atenção, pois o autor joga com as convicções do leitor.




10 Considerações sobre O Voo da Libélula, de Michel Michel Bussi ou porque voar é eletrizante 10 Considerações sobre O Voo da Libélula, de Michel Michel Bussi ou porque voar é eletrizante Reviewed by Douglas Eralldo on quinta-feira, abril 16, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário