10 Considerações sobre Oeste - A Guerra do Jogo do Bicho, ou porque usar coletes à prova de balas

O Blog Listas Literárias leu Oeste - A Guerra do Jogo do Bicho, de Alexandre Fraga, publicado pela Editora Record, e neste post as 10 considerações do blog sobre o livro:

1 - Oeste - A Guerra do Jogo do Bicho é uma leitura eletrizante e precisamente cirúrgica a tomar o ar do leitor com raramente visto em uma publicação nacional. É na verdade um thriller com estrutura estrangeira, mas um enredo essencialmente brasileiro, sombrio, assustador;

2 - É que Alexandre Fraga pare usar de técnicas pouco usadas na literatura nacional, especialmente na trama policial, mas dando toda sua autenticidade nacional por apresentar uma trama com algo arraigado ao brasileiro, o jogo do bicho, a contravenção que mais do que fazer a alegria dos apostadores, é uma guerra impiedosa e sangrenta;

3 - Assim, o autor através de uma narrativa em terceira pessoa, fluída e rápida, vai contando ao leitor, especialmente por meio da ação e da reação, uma saga na qual a disputa por poder e dinheiro parece interminável, o que obviamente gera uma sucessão de mortes e atentados que dão o caráter eletrizante e sem pausas do livro;

4 - Todavia, por ser novidade em terra brasileiras, a forma de narrar escolhida pelo autor em determinados momentos (muitos raros) parece iniciar perder-se, no entanto o autor com punhos firmes e pouco imparciais (já que a Polícia Federal é a mais poupada na narrativa) retoma o domínio da trama levando o leitor por uma verdadeira montanha russa de percepções;

5 - Desta fora será pela ação e pelos atos das personagens que o leitor passará a compreende-las, talvez uma mensagem dizendo que "somos aquilo que fazemos";













6 - Outro aspecto interessante é a ousadia do autor em não apresentar o oposto em sua narrativa, pois Oeste não irá apresentar a oposição do bem ao mal em sua obra, pois no livro, talvez sem um grande protagonista, papel este ocupado muito pela corrupção presente do que propriamente por uma personagem, é apenas um lado que aparece no livro, o mal. O mal em suas piores formas de sedução;

7 - Ou seja, Alexandre Fraga entrega ao leitor um Rio de Janeiro cuja ambientação é ainda mais sombria e corrupta que a ficcional Gotham City, só que no caso de Oeste, com o agravante de não existirem o Batman, ou Comissário Gordon, apenas os bandidos, num reinado sem riscos além da própria guerra entre a bandidagem;

8 - Portanto leitores, Oeste é diferente de tudo que talvez vocês tenham lido na literatura policial brasileira, pois suas virtudes superam em muito qualquer possível deficiência, e acima de tudo, é uma obra que mesmo com uma carga pesada de reflexo da sociedade é a pintura dramática de certas mazelas que tanto incomodam os brasileiros;

9 - Além disso, por experiência própria, digo-lhes ser impossível largar a leitura deste livro, devorei-o numa única sentada;

10 - Enfim, um grande e diferente livro para este gênero que tanto merecia um vigor nacional. Oeste será certamente um grande divisor do mercado nacional no que se refere à literatura policial, pois nos mostra que é possível escrever coisas eletrizantes com temáticas muito nossas, assim, a guerra do jogo do bicho é um ótimo pano de fundo para esta trama elétrica, pungente, e por que não, sufocante, no melhor sentido é claro.



10 Considerações sobre Oeste - A Guerra do Jogo do Bicho, ou porque usar coletes à prova de balas 10 Considerações sobre Oeste - A Guerra do Jogo do Bicho, ou porque usar coletes à prova de balas Reviewed by Douglas Eralldo on terça-feira, dezembro 16, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário