10 Prêmios clássicos de ficção especulativa

Christopher Kastensmidt é americano, onde cursou engenharia de computação na Rice University, em Houston, Texas. Atualmente é morador de Porto Alegre e além de escritor exímio em contos e noveletas, é professor e consultor, especialista em criação de narrativas e propriedade intelectual. Christopher já publicou ficção em diversos países, incluindo Brasil, Estados Unidos, Dinamarca, Escócia, Grécia, Polônia e República Checa. Em 2011, foi um dos finalistas do Nebula, o principal prêmio voltado a escritores de Ficção Científica. Participou com a noveleta O encontro fortuito de Gerard van Oost e Oludara que foi lançado em São Paulo pela Devir Editora no fim de 2010, no primeiro volume da coleção Duplo Fantasia Heróica. Em Porto Alegre, o lançamento ocorreu em janeiro de 2011. Um dos diferenciais entre os lançamentos do gênero, é que história é ambientada em território brasileiro. Enfim, Christopher Kastensmidt é uma das principais referências no país quando se trata de Ficção Científica, além de um ativista da literatura, sendo um dos idealizadores da 1ª Odisseia de Literatura Fantástica que acontecera em abril de 2012 em Porto Alegre.


1- Hugo (1953): O Hugo é o bisavô dos prêmios literários de ficção especulativa. Ele compartilha com o Nebula o título de prêmio mais prestigioso da área. É votado pelos fãs ligados à Convenção Mundial de Ficção Científica, a Worldcon. Existe uma dúzia de categorias de premiação, inclusive para editores, artistas e revistas, mas há apenas cinco premiações para obras literárias de ficção: Melhor Romance, Melhor Novela, Melhor Noveleta, Melhor Conto e Melhor História Gráfica. O troféu é um foguete acima de uma base que é redesenhada anualmente. Connie Willis já levou o prêmio onze vezes, mas outros escritores como Harlan Ellison, Poul Anderson, Isaac Asimov e Ursula K. Le Guin conseguiram coleções consideráveis para suas casas. A exclusiva “festa dos perdedores” pós-ceremonia é lendária.

2 - Nebula (1966) : O Nebula é considerado o "Oscar" dos prêmios literários de FC por ser conferido pela organização profissional a Associação de Escritores de Ficção Científica e Fantasia (SFWA) em grande galardão. Colocar "Vencedor do Prêmio Nebula" na capa de um romance é tão valorizado pelo mercado que 43 dos 47 vencedores para melhor romance ainda estão sendo publicados em versão impressa hoje. Connie Willis é grande campeã deste prêmio também, com sete troféus. Em comparação, o George R. R. Martin ganhou apenas duas vezes, e nunca para seus romances. Bruce Sterling e Avram Davidson compartilham a honra duvidosa de serem os autores com mais nomeações (10) sem ganhar.

3 - Ditmar (1969) : O Ditmar é o equivalente do Hugo para escritores australianos, sendo conferido pela Convenção Nacional de Ficção Científica da Austrália (Natcon). Terry Dowling já levou o troféu onze vezes. Sempre com bom senso de humor, os australianos foram os únicos a premiar o famoso livro O Guia do Mocilheiro das Galáxias, dando dois prêmios Ditmars para ele em 1980, quando ainda existiam categorias para obras estrangeiras.

4 - BSFA (1970) : Após o surgimento dos prêmios oferecidos pelos estadunidenses e australianos, os britânicos não tardaram em oferecer seu próprio prêmio literário para ficção especulativa: o Prêmio Britânico de Ficção Científica (BSFA). Este prêmio é votado pelos membros da Associação Britânica de Ficção Científica (uma associação de fãs) e os membros da Convenção Nacional de Ficção Científica, a Eastercon. Prêmios para ficção são divididos em apenas duas categorias: Melhor Romance e Melhor Ficção Curta. Ian McDonald já ganhou cinco vezes, mas grandes autores britânicos como William Gibson, Bruce Sterling e Charles Stross não venceram até hoje.

5) Seiun (1970) : Outro prêmio que segue a linha do Hugo, o Seiun é votado pelas participantes da Convenção Japonesa de Ficção Científica. Áreas premiadas de ficção incluem Melhor Romance e Melhor Conto (com categorias para obras japonesas e estrangeiras) e Melhor HQ. Chōhei Kambayashi e Yasutaka Tsutsui levaram o troféu sete vezes cada, e Greg Egan e Larry Niven são os estrangeiros que mais ganharam até hoje com cinco Seiuns.

6 - Locus (1971) : Voltamos para os EUA com o prêmio da Locus Magazine, principal revista dos profissionais norte-americanos de ficção especulativa. Qualquer pessoa pode votar, mas os votos dos assinantes da revista contam em dobro. Ursula K. Le Guin têm dezenove prêmios Locus para ficção e Neil Gaiman, participante frequente nas cerimônias de premiação, já ganhou quinze vezes o prêmio.

7 - Mythopoeic (1971) : O Mythopoeic premia obras que exemplificam “o espírito dos Tinteiros”, um grupo literário da Universidade de Oxford que incluiu J.R.R. Tolkien, C.S. Lewis e Charles Williams. Os juízes procuram literatura que incorpora ou transforma mitologia existente. As maiores vencedoras são Patrícia McKillip e Jane Yolen com três prêmios cada.

8 - John W. Campbell Memorial (1973) : O prêmio memorial John W. Campbell foge dos sistemas dos prêmios Hugo e Nebula por utilizar um painel de juízes, e para premiar apenas romances (porém, o prêmio Theodore Sturgeon Memorial Award foi criado em 1987 para premiar ficção curta durante o mesmo evento). O prêmio é dado no fim da conferência Campbell Conference, um evento acadêmico dedicado ao estudo de ficção científica. Os juízes são geralmente autores e acadêmicos muito bem conhecidos. Frederik Pohl é o único autor a ganhar duas vezes, e Greg Bear já foi nomeado nove vezes sem ganhar. À confusão de muitos, também existe um prêmio John W. Campbell para melhor escritor novo.

9 - World Fantasy (1975) : O prêmio World Fantasy premia apenas obras de fantasia, nada de ficção científica. Os vencedores são escolhidos por juízes, mas membros da convenção World Fantasy votam para acrescentar duas obras finalistas em cada categoria para consideração. O prêmio em si é um busto de H. P. Lovecraft, um fato que gerou polêmica em 2011 após discussão sobre o racismo dele. O prêmio World Fantasy Award for Life Achievement, que leva em conta toda a obra do escritor, reconheceu as contribuições literárias do Jorge Luis Borges (1979) e Italo Calvino (1982), algo que o Prêmio Nobel nunca fez.

10 - Rhysling (1978) : O Rhysling é o principal prêmio para poesia especulativa, votado pelos membros da SFPA. O Rhysling é dado em duas categorias: Melhor Poema Curta e Melhor Poema Comprida. Bruce Boston é de longe o poeta com mais vitórias (8), mas talvez os vencedores mais conhecidos fossem o autor do livro The Forever War, Joe Haldeman, com três vitórias e Ursula K. Le Guin com uma.
10 Prêmios clássicos de ficção especulativa 10 Prêmios clássicos de ficção especulativa Reviewed by Douglas Eralldo on segunda-feira, janeiro 16, 2012 Rating: 5

Um comentário

  1. Janice Jandrey dos Santos5 de junho de 2014 13:16

    Gostaria de participar do concurso ao prêmio de Poesia Especulativa (poesia filosófica)

    ResponderExcluir