Header Ads

10 Considerações sobre Arrancada do meu mundo, de C. C. Hunter ou sobre quebrar os ovos

O Blog Listas Literárias leu Arrancada de meu mundo, de C. C. Hunter publicado pelo editora Jangada; neste post as 10 considerações de Douglas Eralldo sobre o livro, confira:

1 - Arrancada do meu mundo é destes romances juvenis cheio de atrativos que, para além da história de amor, reúne elementos que passam da transposição inesperada dos acontecimentos em vidas jovens mostra também o impacto das decisões de terceiros, a dissolução dos relacionamentos, e nesse caso mais específico, a própria fragilidade do sistema americano de adoção, fragilidade esta que possibilita toda a trama e seu enredo que se equilibra entre romance juvenil e uma pitada de narrativa policial;

2 - No livro a prevalência nestas narrativas, o trazer ao protagonismo de vidas conturbadas, alteradas de algum modo pelas desigualdades sociais, pelos dramas familiares, e por aí vai. É o caso de Cash Colton, órfão que de casa em casa provisória encontra um lar junto aos Fuller, ainda que o seu conhecer no lado sombrio do mundo o afaste dos relacionamentos mais sadios e estabeleça mele enorme dificuldade em confiar no outro;

3 - Não são poucos as tragédias pessoais de Cash, entretanto, pela centralização do protagonismo e do foco da narrativa, afinal, esta é uma história sobre Chloe, a sensação das tragédias sobre ela nos é ainda maior. Também típico nestas narrativas, a mudança, o retorno da jovem com a mãe para uma nova-velha cidade, tendo de lidar com a guerra entre pai e mãe num divórcio cuja relação de ambos descaminha para alienação parental, com uma mãe arrebentada não apenas pela separação, mas pelo câncer e um verdadeiro desgosto em viver, a jovem tem de assumir abruptamente a maturidade suportando a mudança, a mãe auto-destrutiva, o pai que lhe decepcionou, a nova escola...

4 - É nesse universo já caótico e dramático em que Chloe está inserida que as coisas pioram ainda mais ao conhecer Cash e a partir desse relacionamento, não apenas seu presente ser posto em xeque, mas toda a sua própria história de vida. Supostamente abandonada pelos pais, a adoção dela então é colocada sob suspeita, suspeitas severas que porão os dois adolescentes em perigo;

5 - O curioso e elogiável é que C. C. Hunter a despeito da carga dramática um tanto pesada é capaz de equilibrar a narrativa conferindo-lhe certa leveza e dinamismo importantes numa leitura para diversão. Se de um lado as megerices da mãe de Chloe tensionam o leitor, a relação apaixonante entre ela e o não menos problemático Cash suavizam o aspectos mais pesados da narrativa;

6 - Além disso, as pinceladas de narrativa policial conferem ritmo mais envolvente. Acontece que Chloe tanto investiga quanto é o próprio mistério, o qual ela e Cash pretendem resolver para enfim com as respostas acerca do passado dela puderem tomar os melhores caminhos, o que, claro, sempre será atropelado pelos acontecimentos;

7 - Vale destacar, porém, que não se trata de uma narrativa policial, mas uma narrativa com seus elementos. Em grande parte antecipada pela narração, deixando seus personagens muitas vezes no escuro. Não há desse modo centralidade na investigação em si, ela é um elemento apenas, pois o foco será na construção identitária dos protagonistas e na relação amorosa que surge entre eles;

8 - Aliás, como em geral em obras ao público jovem, o romance carrega a metáfora da transformação, da mudança, tudo de modo muito claro. A necessidade de conviver com as paixões e os medos, encontros provocados consigo mesmos. Claro, na narrativa extravasado pela excepcionalidade dos acontecimentos, ainda assim representativos das mudanças drásticas das adolescência, o que é relevante neste gênero;

9 - Assim, o livro nos leva entre voltas e reviravoltas a uma grande gangorra de emoções. Sempre em um ritmo envolvente e dinâmico e nos apresentando personagens bastante críveis e reconhecíveis, o livro nos conduz rapidamente por sua leitura, conseguindo desenhar ao fundo alguns aspectos sociais, especialmente por meio das biografias de seus protagonismos;

10 - Enfim, Arrancada de meu mundo a despeito dos dramas inerentes à narrativa e dos momentos que determinados personagens são bastante irritantes, equilibra tudo isso numa narrativa que cumpre com seus desígnios, ou seja, é divertido, envolvente e nos possibilita ao fim, boas vibrações. 



Nenhum comentário