Header Ads

10 Coisas Sobre Blogs e Parcerias com Editoras que todo mundo deveria saber

Essa semana pipocaram pela web posts polêmicos sobre parcerias entre editoras e blogs literários. O bate-boca tem sido grande nos últimos anos, em parte, creio pelo crescimento (e às vezes amadorismo) da blogosfera literária. Como alguém (quiçá um tiranossauro dos blogs literários) que iniciou essa coisa lá pelas bandas de 2009, ano que muitos blogs surgiram (tantos se extinguiram), resolvi entrar na "polêmica" abordando alguns fatos relacionados à parcerias com editoras, nestas 10 coisas sobre blogs e parcerias com editora que todo mundo deveria saber:

1 - O Princípio: Com o tempo parece que as parcerias tem deturpado (e se deturpado) a gênese dos blogs literários. Os primeiros que vieram, hoje muitos extintos, não surgiram pela dependência de parcerias, mas sim pela vontade de falar de literatura, tanto que àquela época a maioria dos blogs eram ainda "blogspot" praticando "um amadorismo" talvez mais sincero. Até então, naqueles primeiros anos as editoras ainda não tinham se voltado para a possibilidade de parcerias, algo que começou mais sistematicamente em 2010 e se consolida em 2011. Daí em diante tem sido "um deus nos acuda" com milhares de inscritos a cada seleção;

2 - Precursores: Se você tem certa disponibilidade de tempo para pesquisas e fugir da síndrome "do mundo começou ontem" descobrirá inclusive que os precursores das parcerias com blogs literários foram os autores nacionais que alijados das divulgações tradicionais em jornais e o alto custo de propaganda começaram timidamente a realização de parcerias com blogs, principalmente com resenhas, afinal, ser resenhado num jornal era uma impossibilidade, e mesmo no princípio deste "boom" os blogs detinham suas parcelas de audiência. Vejamos que até aqui, menos uma questão comercial e mais uma possibilidade de ser lido insuflou a realização de parcerias. No caso do Listas, o primeiro autor a nos enviar seu trabalho foi o Allan Pitz com o interessante "A Morte do Cozinheiro";

3 - Editoras em Campo: Que fique bem claro, editoras sempre tiveram e vão continuar tendo cotas de divulgação. Até os blogs, tudo ia para jornais e revistas, com advento do novo meio, as editoras viram nos blogs potencial para parcerias, em grande parte porque os blogs vinham mostrando-se de forma muito mais dinâmica e ágil, sempre com pautas em cima do lance, atentos aos lançamentos, Ás obras e aos escritores do que os meios tradicionais. Além disso, muitos blogs tinham e ainda tem uma audiência maior que muitos suplementos literários (que em determinado momento desapareceram dos jornais, até nos meios virtuais). Portanto, como editoras não são bobas, lógico que elas conseguiram ler esse movimento e começaram a trabalhar de forma mais sistemática e organizada. Tanto que nas primeiras parcerias, como foi do Listas com a Record em 2010, ainda não existiam períodos de seleção e acima de tudo os conceitos sobre as parcerias literárias eram diferentes à época. Feito esse resgate, nos próximos itens elenco 7 problemas que dão margem as discussões recentes;

4 - Problema 1: Não sei se há ou não um divã em que editoras e blogueiros tem sentado-se para discutir a relação, mas está claro que há muito bate-boca virtual por aí (e também mimimi), que em parte nasce da proliferação dos blogs literários, o que tem sido bom, mas que por outro lado inundou a internet de aventureiros em busca de exemplares de graça. Esse "inchaço" senão o cerne do problema acaba influenciando muitos elementos que são discutidos virtualmente sobre o assunto;

5 - Problema 2: Uma das questões que o inchamento de blogs literários causou e que deve ser avaliada e ponto de reflexão é que, não só as editoras, mas parte também dos blogs a "mudança" de conceito da blogosfera literária. Se antes era o desejo de falar de literatura, hoje, quando grande parte carrega a preocupação de apenas ter muitas parcerias, tudo passa a ser em pról disso, e assim, a propaganda e o consumismo mero e simples é que passam a pautar os blogs, o que, a meu ver tem feito decair muito o conteúdo dos canais, porque a sensação que fica é que estão todos à serviço das editoras;

6 -  Problema 3: Mas não culpemos apenas os blogs, sim as editoras tem grande parcela nisso, e tudo piorou após "a profissionalização" das equipes de marketing de tal forma que hoje há sim seleções que prezam pela capacidade de propaganda de um ou outro canal, e também engajamento de tal forma que mais do que ter um feedback de suas publicações, buscam por funcionários não remunerados. Isto, aliás, só é possível pelo inchamento e empobrecimento da blogosfera literária. Aqui no Listas e noutros blogs que tenho visto, prefiro não ter estes tipos de parcerias, porque no final deturpa o conceito inicial de sua ideia;

7 - Problema 4: É que na verdade misturou-se até fazer uma coisa só, "crítica" e propaganda. Os blogs ainda que não uma crítica especializada surgiram no vácuo de inexistir pessoas falando e avaliando  livros, o que fazia muitas vezes das listas de mais vendidos único "feedback" de leitores sobre livros. Mas com o tempo, e pela espantosa submissão e entrega, esta promovida pelos blogs literários de segunda geração, passou-se a buscar apenas por propaganda, por divulgadores. Ora, amigos, resenhar, avaliar, criticar, mesmo sem sermos críticos é uma coisa, agora propaganda, é um serviço prestado, e como todo serviço cada canal tem sua forma de remuneração;

8 - Problema 5: Com tudo isso está se criando então um clima de desconfiança. Não sei se editores lerão este post ou não, mas não acho muito inteligente em médio e longo prazo uma adesão a propaganda pela propaganda. Muitas seleções tem mostrado isso, seja em suas regras, seja nos perfis dos blogs selecionados em que temos percebido este caminho seguido. Acontece que isto pode por em risco algo que os blogs detinham com seus leitores que é credibilidade;

9 - Problema 6: Acontece que muitos canais tem dificuldade em existir sem editoras ou até mesmo de saber que se pode construir um canal relevante e interessante sem estar preso a este tipo de ação. Aqui no Listas mantemos muitas parcerias, noutras perdemos, o que aliás, faz parte do jogo, afinal seleção é seleção e temos de respeitar os perfis e as expectativas das editoras, contudo o que não pode é justamente o blog reverter seus princípios ou conceitos por causa disso. Além disso, tanto entre grandes, médias e autores há sim parcerias que não esperam por um funcionário não remunerado, até porque é justamente a credibilidade e a qualidade de uma avaliação crítica do canal que poderá reverter positivamente para autores e editoras;

10 - Problema 7: Qualidade das avaliações, a meu ver, resultam no maior e no mais triste dos problemas, e isso, feito por muitos blogs (alguns famosos, inclusive) e patrocinado com a leniência perigosa de muitos departamentos de marketing de editoras. Se acham meio pesado, visitem alguns blogs, vejam algumas resenhas, e sinceramente, há em muitos casos nove décimos de sinopse e três linha de opinião pouco crítica no material publicado, o que não acaba sendo problema desde que haja disponibilidade para engajamento nas redes sociais. O que quero dizer com isso, então, é que tanto blogs quanto editoras (nem todas, é claro, porque generalizar seria um grande a fatal erro) seguem por uma trilha e médio e longo prazo perigosa. Mas o que deveria estar em mente na maioria dos blogueiros é de que existe vida sem parcerias. Além disso, outras 10 coisas temos que ter em mente:

1 - Com ou sem parceria você pode faturar com seu blog;
2 - Não adianta reclamar, cada editora escolhe os seus, de acordo com seu perfil desejado, seja correto ou não;
3 - É muito mais blog do que oferta de parceria. Então o normal é viver sem ela.
4 - Com ou sem parceria quem pauta o blog é blogueiro.
5 - Há blogs de qualidade sem parceria e há blogs horríveis com muitas parcerias, mas o inverso ocorre também;
6 - Os melhores blogs sabem a que vieram;
7 - Há blogueiro pedinchão, e autor e editores também, afinal o mundo não é perfeito.
8 - Os bons jornais continuam recebendo material para crítica. Bons blogs também.
9 - Não é seu problema se a editora deseja um funcionário não remunerado. E também não problema dos outros se você aceita isso.
10 - Blogs dependentes de parceria talvez morram. Blogs com projeto sólido é mais difícil.

2 comentários: