10 Considerações sobre Reboot, de Amy Tintera ou porque mortos-vivos são perigosos..

O Blog Listas Literárias leu Reboot, de Amy Tintera publicado pela Galera Record. Neste post Douglas Eralldo publica suas 10 considerações sobre o livro, confira:

1 - Reboot, de Amy Tintera é uma aventura distópica alicerçada pela ação constante que mergulha o leitor num universo opressor, sombrio e sangrento no qual desfilam sua personagens;

2 - Na trama somos apresentados aos reboots, "criaturas" surgidas por meio de um vírus que traz de volta à vida, ou algo semelhante a isso, de volta após suas mortes. Tais criaturas perdem qualquer identidade anterior e passam a ser propriedade de uma organização que controla pelo medo todo um mundo empobrecido e arruinado;

3 - E conhecemos este universo pelos olhos e pela voz de Wren, uma reboot ressuscitada 178 minutos após sua morte, uma verdadeira lenda do seu campo de reboots que acaba por entrar em conflito com seu próprio universo após a chegada de um recruta, o 22;

4 - Mais do que trazer o romance para o livro, o 22 será aquele que jogará perguntas sobre todo um sistema estabelecido. É sua discordância e seu charme pessoal e irreverente que o aproximará da 178, e assim colocando-os numa nova jornada;

5 - Reboot é um livro de imagens fortes. Sangue e membros quebrados são uma constante, bem como o estado de selvageria no qual são colocados os mortos, e assim violência, sangue e mortes são uma constante;
















6 - Mas os reboots podem até se aproximar dos zumbis, mas não os são. Os mortos neste livro se aproximam dos super-heróis com seus poderes como regeneração e quase total invencibilidade estão presentes. Embora mortas-vivas, tais criaturas mantém uma consciência, mesmo que pouco humanizada, além de outras características físicas que os afastam dos tradicionais zumbis;

7 - Um detalhe interessante é que os reboots embora mortos, ainda assim precisam tomar bastante cuidado para não morrerem pela segunda vez;

8 - No entanto, quanto à trama em si, o livro permanece nos tópicos discutidos entre tantas obras do gênero, especialmente a luta por liberdade de grupos que são oprimidos e nesse caso específico, praticamente escravizados servindo a um poder que se usa do medo e a força para sobreviver;

9 - Assim é um livro que pode entreter seus leitores, seja pela aventura, seja pelo romance presente porque consegue aliar tais elementos de forma harmônica durante a narrativa;

10 - Enfim, Reboot bebe na onda das distopias sombrias e juvenis, e aqui apresentam um olhar parcial da personagem que está diretamente envolvida com a ação. É um livro com muita aventura, ritmo, romance e movimento, e pode lhe entreter em bons momentos de leitura, embora numa roupagem já bastante conhecida dos leitores.



10 Considerações sobre Reboot, de Amy Tintera ou porque mortos-vivos são perigosos.. 10 Considerações sobre Reboot, de Amy Tintera ou porque mortos-vivos são perigosos.. Reviewed by Douglas Eralldo on segunda-feira, abril 13, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário