10 Considerações sobre Todos Nós Adorávamos Caubóis, ou por que viajar é sempre uma aventura

O Blog Listas Literárias leu Todos Nós Adorávamos Caubóis, de Carol Bensimon, da Companhia das Letras, e publica neste post suas 10 considerações sobre o livro:

1 - Todos Nós Adorávamos Caubóis, de Carol Bensimon, é um fantástico "road book" onde por meio de suas personagens fala com maturidade e seriedade devida assuntos polêmicos em meio a uma viagem que pode ser tanto a redenção como a ruptura completa de uma amor reprimido por sua não convencionalidade, e por destinos que se distanciam. É como se fosse uma busca àquilo que ainda não se viveu por completo;

2 - Carol Bensimon consegue algo muito difícil neste livro que é unir mundos completamente distintos, sendo ao mesmo tempo globalizado e universal com estudantes que moram em Paris e Montreal, ao mesmo tempo que é capaz de ser completamente intimista e realista ao passo que suas protagonistas se embrenham por uma viagem sem roteiros ou planos pelo interior do Rio Grande do Sul;

3 - Aliás, por conhecer alguns locais por quais Cora e Julia passam no estado, e pela incredulidade de encontrar minha pequena cidade neste roteiro e numa passagem central das personagens do livro, se torna muito interessante a forma como a autora através da voz de Cora enxerga o lado pitoresco e as vezes excêntrico do estado, bem como sua visão e compreensão própria da paisagem, sendo de toda forma muito fiel aos cenários bucólicos, e também de belas paisagens que as estradas gaúchas propiciam;

4 - Mas acima de tudo, Todos Nós Adorávamos Caubóis é sobre relacionamentos, especialmente sobre expectativas e desejos;

5 - Assim a narrativa de Cora, mais que nos levar por estradas e caminhos, versa sobre suas expectativas e as expectativas dos outros para com ela. E muitas vezes (ou geralmente) esta não é uma tarefa fácil, assim como não é fácil sua postura, seu feminismo declarado, e até mesmo lidar com sua dupla sexualidade, que na verdade me parece única, pois afinal seus amores verdadeiros são de um único sexo. Seu próprio sexo.

6 - Julia por seu lado carrega também em seu destino as marcas das relações, dos traumas, e da rigidez. Talvez por isso para ela as coisas não sejam tão claras e límpidas quanto para Cora. Mesmo assim Julia pode ser firme e decidida se assim o quiser;

7 - Aliás, o livro acaba sendo de toda forma muito sensual, e mesmo que a protagonista Cora pudesse não gostar, isso se dá muito mais pela beleza das duas belas mulheres amantes, que tão somente pele feminismo máximo de a mulher poder escolher com quem se relacionar. No entanto vale ressaltar que essa sensualidade não entra na trama como aspecto de atração chamativa, mas sim algo inerente à própria arte e recurso inerente a viagem e aos sentimentos que renascem com força diante da solidão das estradas e dos pampas;

8 - Todos Nós Adorávamos Caubóis com sua profundidade e com seu ritmo de aventura certamente está em pé de igualdade com grandes trabalhos do gênero como "On The Road", ou aqueles adoráveis filmes de aventureiros pela Rota 66. E a paisagem do Rio Grande do Sul colaborou muito para o livro;

9 - O livro ainda fala de mundos distintos, e em alguns casos a voz de Cora é ácida, sarcástica, e até mesmo um pouco prepotente ao realizar sua leitura, o que colabora ainda mais para a construção de uma personagem única e com vida própria;

10 - Enfim, Todos Nós Adorávamos Caubóis é uma leitura fascinante, em que é difícil abandonar suas páginas, e acima de tudo, um livro com letras maiúsculas, além é claro de nos deixar loucos de vontade em assistir um "road movie" baseado no livro;





10 Considerações sobre Todos Nós Adorávamos Caubóis, ou por que viajar é sempre uma aventura 10 Considerações sobre Todos Nós Adorávamos Caubóis, ou por que viajar é sempre uma aventura Reviewed by Douglas Eralldo on domingo, janeiro 05, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário