10 Considerações sobre A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin, ou por que o trono de ferro é tão desejado

1 - A Guerra dos Tronos, é um romance que certamente entrará para o hall das grandes histórias escritas, propondo ao leitor uma trama épica alicerçada com a mais pura  fantasia, onde espadas são brandidas e reis jogam o mais perigoso dos jogos, numa luta atroz e mortal pelo poder, e o tão estimado Trono de Ferros;

2 - O livro ultrapassa as barreiras da literatura, transformando-se em arte, pois George R. R Martin constrói uma narrativa que não se assegura a nenhuma lei ou conveniência, salpicando as páginas com condutas que só a rebeldia da arte ultrapassa com a coragem de por no tabuleiro do jogo, sexo, incestos, morte, atitudes imorais, e traições... Muitas traições.   

3 - E se podemos dizer que há algo que se destaque em sua narrativa, esta é a mentira. Ela está exalada praticamente em quase todos os seus capítulos. Cada personagem mente, independente por bons ou maus motivos, a mentira e a traição correm solta ao longo da trama colocando-a de certa forma como uma das principais protagonistas do livro;

4 - Por falar em capítulos, a forma de Martin apresentá-los, cada vez acompanhando um personagem fornece a fluidez necessária para que suas 592 páginas com letras um pouco menor que o ideal não pesem ao leitor, e o coloque sempre como um espectador privilegiado dos fatos que se desencadeiam durante o jogo dos tronos, além é claro de nos permitir conhecer intimamente cada um destes personagens;

5 - E falando em personagens, são eles bem distintos e construídos em suas personalidades marcantes e fortes, os quais até agora caem em minha preferência a dubiedade de Tyrion Lannister, a valente menina Arya Stark, e o bastardo Jon Snow;

6 - Aliás, a dica é não gostar, nem odiar qualquer personagem que seja, no papel de autor, Martin certamente inspira-se na vida real, e em momento algum teme ou titubeia ao matar, aleijar ou fazer desaparecer seus personagens, geralmente da forma mais trágica e desoladora possível. O jogo dos tronos é duro e difícil de ser jogado, e cada personagem geralmente paga caro para jogá-lo;

7 - Causas e consequência é outra lição bastante presente. Mesmo com insinuações pré-estabelecidas, ou desejos em inércia, é a ação de seus personagens ao longo do jogo dos tronos que traz as grandes consequências para os sete reinos;

8 - A Guerra dos Tronos é um livro forte, bebida que desce queimando pela goela. A morte descrita da pior forma, o sexo de forma imunda, para alguns, talvez escandaloso e brutal. O que há de pior na natureza dos homens, Martin carrega em seus personagens, onde pelo poder tudo se justifica, onde a honra pode ser a sentença de morte, e a covardia e o ardil a ascensão. A Guerra dos Tronos é alta fantasia, mas não se engane, está longe de ser um conto de fadas, é tão dura e mortal quanto aço valiriano,e tão perigosamente próxima da vida real;

9 - Para não dizer que gostei de tudo na obra, a excessiva apresentação dos símbolos das casas, geralmente introduzidos em repetições desnecessárias indicando a que casa pertencia este ou aquele escudo sempre que discorria sobre a decoração ou as vestes de alguém, é um pouco chato;

10 - Enfim, A Guerra dos Tronos é um livro muito mais do que recomendado, e seu último capítulo além de nos descrever uma cena fantástica e repleta de magia, encerra o livro em grande estilo, e deixa o leitor ansioso pela leitura do livro seguinte da série;





10 Considerações sobre A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin, ou por que o trono de ferro é tão desejado 10 Considerações sobre A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin, ou por que o trono de ferro é tão desejado Reviewed by Douglas Eralldo on sexta-feira, agosto 24, 2012 Rating: 5

2 comentários

  1. a dubiedade de Tyrion Lannister, a valente menina Arya Stark, e o bastardo Jon Snow

    Também são os meus preferidos... adorei os adjetivos escolhidos e precisos.

    ResponderExcluir
  2. Viraria lésbica pela Daenerys Targaryan

    ResponderExcluir