10 Considerações sobre Morgan: O Único, ou como zumbis podem ser perigosos mesmo não querendo ser...

Este texto tem o objetivo de levar ao seu conhecimento um pouco mais sobre o livro Morgan: O Único, e obviamente tudo que tiver escrito neste post é totalmente suspeito e nem um pouco imparcial, já que quem o escreveu é justamente o próprio autor do livro, e os pais geralmente vêem seus filhos com olhos diferentes. Enfim, este é um texto publicitário, mas que mantém minha fidelidade com os leitores do blog, pois os que lerem o livro podem ter certeza que encontrarão o que está nesta lista:

1 – Morgan, o zumbi, é único, o que não quer dizer que não haja outros mortos-vivos vagando perigosamente por aí. Sua diferença está justamente no fato de que é o próprio zumbi, o narrador do livro;

2 – Aliás, o fato de ser único leva Morgan a realizar peripécias surpreendentes para um morto-vivo, numa espécie de “Chuck Norris” dos zumbis, o que pode ser legal para uns, interessante para outros, ou até mesmo uma deturpação aos mais fanáticos por zumbis;

3 – Morgan é um personagem emblemático, e confuso com sua natureza, e que em certo ponto do livro essa confusão parece ser transposta a alguns capítulos que dão a nítida sensação que o personagem está estagnado, e é acompanhado pelo autor nesta situação;

4 – A narrativa em primeira pessoa é cheia de literalidade, em alguns trechos é de certa forma rítmica, o que auxilia ao leitor familiarizar-se com o personagem protagonista, mesmo sendo ele uma figura que ao primeiro olhar é repugnante;

5 – Os diálogos praticamente não existem ao longo do livro. De certa forma isto é justificável já que acompanhamos o ponto de vista de um zumbi;

6 – Por mais que seja uma obra de suspense e horror, o livro trás uma série criticas sociais, políticas e humanas através das reflexões do personagem, chegando em alguns pontos estimular debates filosóficos.

7 – O amor platônico é visto de forma intensa ao longo do livro, e o amor contido, mesmo antes de sua morte, é o que impulsiona a jornada de Morgan ao longo da trama, e que como todo amor leva atitudes extremas;

8 – Os capítulos curtos, e os ganchos ao final de cada um deles estimulam do desejo em findar a leitura, e assim as 160 páginas são consumidas em pouco tempo;

9 – O autor abusa das descrições em cada passagem do livro. É possível visualizar uma por uma das cenas, sejam belas, ao contemplar o belo corpo desnudo de uma mulher, ou as mais repugnantes como quando tiros de espingardas espalham as vísceras de Morgan pelas calçadas...

10 – Mesmo afirmando que não haverá continuação, o livro deixa pontas que podem ser trabalhadas num futuro, e em seu último capítulo, o autor usa artifícios dos clássicos filmes de terror, encerrando o livro de uma forma em que o leitor fica imaginando como seria a continuação...


Livro: Morgan: O único
Autor: Douglas Eralldo
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 160
Ano: 2011
ISBN:978-85-63586-20-9
De R$ 34,90 Por R$ 28,90 
Livros vão com Dedicatória e Marcador








10 Considerações sobre Morgan: O Único, ou como zumbis podem ser perigosos mesmo não querendo ser... 10 Considerações sobre Morgan: O Único, ou como zumbis podem ser perigosos mesmo não querendo ser... Reviewed by Douglas Eralldo on sexta-feira, julho 01, 2011 Rating: 5

3 comentários

  1. Morgan:o Ùnico é tão bom que chegou a me dar medo!!Como moro na cidade onde inspirou-se a história,dava a impressão que a qualquer momento iria aparecer um zumbi na minha frente.
    Muito bom mesmo,recomendo!

    ResponderExcluir
  2. eu quero mais to sem grana kkkkk aff

    ResponderExcluir