Header Ads

10 Melhores livros com pactos com o Diabo

O Capiroto, Belzebu, Coisa-Ruim, o Cramulhão, Capeta, Demônio, o Bode... Guimarães Rosa em seu Grande Sertão apresenta-nos muitos dos nomes do Diabo por aí, criatura que de fato estão tão arraigada em nossa cultura quanto sua antítese, Deus. Neste post selecionamos os 10 melhores livros com pactos com o tinhoso, confira, e não deixe de deixar sua dica nos comentários:

1 - Fausto, de Goethe: Numa lista como essa não se poderia ignorar aquele que é provavelmente uma das pedras basilares da literatura com este tópico com o já clássico encontro ente Fausto e Mefistófoles, e o pacto realizado entre os dois;

2 - Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa: Bem já falamos desta obra que é certamente uma das principais da literatura brasileira quando pensamos em pacto com o Diabo, visto que o sertanejo Riobaldo passará bom tempo questionando-se de seu suposto acordo com o Tinhoso (Rosa na obra não poupa os nomes do Coisa-Ruim sabidos por estas bandas). Um detalhe interessante, contudo, é que constantemente Riobaldo lembra-nos "o Diabo vige no homem";

3 - Os Irmãos Karamázov, de Fiodor Dostoiévski: Outro clássico da literatura em que o Diabo estabelece um pacto entre as partes, no caso com Ivan Karamázov. No caso, o Diabo, aqui mantém aquela imagem sedutora, elegante e eloquente a conquistar almas aos seus domínios, ou os homens encontra um bode expiatório para seus defeitos;

4 - Doutor Fausto, de Thomas Mann: Possui forte relação intertextual com a obra de Dostoiévski e Goethe, e na obra trata do pacto de Adrian Leverkühn  com Satanás;

5 - Cidade de Deus, de Paulo Lins: A literatura brasileira, como veremos tem forte aproximação aos pactos com o capiroto, talvez fruto de nossas mazelas sociais que bem parece mesmo o Bicho andar solto por aí. Nessa obra imortalizada no cinema, mas fundamental para nossa literatura recente é o bicho-solto Tutuca que se assume pactuado ao Diabo, para quem despacha toda segunda-feira no mínimo uma alma;

6 - O Pacto, de Joe Hill: Vamos incluir na nossa lista uma versão mais popular da coisa, e este (que no Brasil também saiu com uma edição como Amaldiçoado) penetra o universo das relações com o Catifum, obra do autor que recebeu importantes honrarias do gênero, como o Bram Stoker;

7 - Macário, de Álvares de Azevedo: Eis um nome que se não tivesse morrido cedo talvez rivalizasse muito com Machado para ser o maior autor do país. Suas obras de um romantismo gótico e tenebroso são leituras para estômagos/cérebros resistentes, caso deste seu clássico que também fala do trato com o Capeta;

8 - Crônica do Pássaro de Corda, de Haruki Muraki: Literatura a ser decifrada por seus leitores, esta obra do autor japonês, dentre tantos acontecimentos estranhos e insólitos há os rumores e supostos acordos com o Demônio a atiçar lendas urbanas e imobiliárias;

9 - Histórias sem Data, de Machado de Assis: Tocamos no homem, o trazemos aqui então. Neste livro de contos, é no primeiro "A Igreja do Diabo" que o grande mestre da literatura brasileia abordará o tema, e veja só, propondo um igreja para o Coisa-Ruim;

10 - O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde: Outro grande clássico da literatura universal e revisitado diversas vezes, e aqui mais que o pacto, o profano atrai-se pela jogo de sedução ao qual Gray vai entregando-se.


Nenhum comentário