10 Considerações sobre O Príncipe de Westeros ou porque adoramos canalhas

O Blog Listas Literárias leu O Príncipe de Westeros e Outras Histórias, antologia organizada por George R. R. Martin e Gardner Dozois publicado pela editora Saída de Emergência; neste post as 10 considerações sobre o livro, confira:

1 - O Príncipe de Westeros e Outras Histórias é tudo o que promete George R. R. Martin em sua lúcida introdução que mais parece um artigo em defesa dos canalhas. Sem prender-se a gêneros ou tipos, os 10 contos do livro nos brindam com uma grande diversidade de histórias, cenários, mundos e tempos, de modo que a cada conto o leitor vê-se diante de uma nova e diferente experiência;

2 - Mas como também fica claro na introdução, a antologia se une pela presença de personagens cuja Martin classificaria como cinzentos. Para o autor as pessoas não não, ou pretas, ou brancas, oito ou oitenta, o bom e o mau, mas sim a possibilidade de um meio de caminho, cinzentas, podendo serem boas ou más, e aí reside a admiração aos grandes canalhas;

3 - Aliás, ainda na introdução do livro, o artigo percorre o tempo apresentando aos leitores grandes e famosos canalhas da ficção, seja no cinema, na televisão ou na literatura. Em comum, todos eles ganharam a imortalidade em obras que participaram, alguns, inclusive, hoje são conhecidos como heróis;

4 - Mas indo diretamente aos contos, eles como já disse, são de uma grande variedade, indo da fantasia de Como o marquês recuperou seu casaco, de Neil Gaiman ao horror de um realismo fantástico em Qual é a sua profissão? de Gillian Flynn que deixa muita coisas para seus leitores pensar e decidir. Ainda temos a aventura clássica em A caravana para lugar nenhum, de Phyllis Eisenstein e a literatura fantástica de Scott Lynch com Um ano e um dia na Velha Theradane, ideal para leitores fãs de magia;

5 - Obviamente, há também de se destacar o conto que dá título ao livro, O príncipe de Westeros ou O Irmão do rei, do próprio George R. R. Martin. O interessante do conto é o leitor ter acesso a um pouco mais do universo das Crônicas do Gelo e do Fogo, mas numa narrativa diferente dos capítulos da série, já que o conto que nos revela as transgressões de Daemon Targaryen são transcrições de um arquimeistre transcritas por Martin. Ah, e sim, o conto consegue reunir todas as perversões presentes na série, e com cenas bem impactantes, como tudo em Westeros;

6 - Portanto o leitor desta antologia encontrará de tudo, dos contos que primam pela ação e movimento, ou pelos que optam por uma viagem psicológica em que os tecidos da realidade se mostram bem frágeis. Há ainda obras como Em Cartaz, de Connie Willis em que a grande questão me parece a ambientação futurista que insere uma discussão sobre capitalismo e consumismo tornando coadjuvante a aparente ação presente no conto em que o não-dito é sua grande virtude;

7 - Agora, certamente num livro que pretende apresentar personagens cinzentas, canalhas, é Bast, popular personagem de A Crônica do Matador do Rei, de  Patrick Rothfuss que melhor se enquadra no papel. Protagonizando o conto A árvore reluzente que acompanha um dia na vida de Bast, o leitor é apresentado a um jogo de insinuações e ações de Bast que o tornam um típico e sedutor cafajeste;

8 - Geralmente eu foco apenas no texto, mas não há como deixar de elogiar a capa deste volume que é simplesmente encantadora com suas ilustrações e cores que dão vida ao livro e acima de tudo, consegue captar o espírito da antologia. É uma capa que já não bastasse no nome de Martin grafado, certamente seu design pode estimular a compra por impulso. Uma bela capa;

9 - Aproveito também para compartilhar com os leitores meus contos preferidos nesta antologia, uma escolha difícil é bem verdade, mas Como o Marquês recuperou seu casaco é incrivelmente visual e fantástico; Qual sua profissão? é uma construção clássica de um horror psicológico que certamente o coloca entre os grande contos do gênero; e O príncipe de Westeros simplesmente é A Guerra dos Tronos num recorte e síntese que mantém a porrada que é tudo sobre Westeros. São estes os meus contos preferidos na antologia;

10 - Enfim, cada conto de O Príncipe de Westeros e Outras Histórias vale muito a leitura, e justamente pela variedade de gêneros e temas, a leitura não enfastia o leitor. É uma grande oportunidade de conhecer ou ampliar suas leituras destes grandes escritores, bem como conhecer alguns ainda não muito famosos por aqui no Brasil.



10 Considerações sobre O Príncipe de Westeros ou porque adoramos canalhas 10 Considerações sobre O Príncipe de Westeros ou porque adoramos canalhas Reviewed by Douglas Eralldo on terça-feira, junho 09, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário